Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

O Baião Canal Jornal associou-se ao movimento da Hora do Planeta

Convidamos todos os leitores a assinar aqui a petição que visa requerer aos líderes mundiais que parem com a crise climática.

ONU: danos ao meio ambiente provocam uma em cada quatro mortes prematuras -  ISTOÉ DINHEIRO

 

CM Vinhais / Hora do Planeta

 

Importa saber que:

  • A emergência climática representa uma ameaça existencial à nossa sobrevivência;
  • Milhões de pessoas têm vindo a ser desalojadas e deslocadas devido aos incêndios, a inundações e a supertempestades, que afetam desproporcionalmente as pessoas que vivem na pobreza e marginalizadas em todo o mundo;
  • Está a ser ameaçado o abastecimento de alimentos;
  • A água potável tem vindo a sercar em diversas regiões do mundo, destruindo partes da natureza que simplesmente não podemos reconstruir.
  • Os nossos oceanos estão a ser ameaçados;
  • Os especialistas têm vindo a alertar que é urgente impedir o aquecimento do planeta acima de 1,5 °C, mas temos de agir agora e com ousadia para que esse objetivo seja atingido;
  • Se formos capazes de criar uma base de apoio para as ações sobre as mudanças climáticas, poderemos convencer os líderes mundiais a agir.

 

Mas inda há motivos para a esperança.

Os especialistas acreditam que podemos manter o nosso planeta com sobrevivência se evitarmos que a Terra aqueça além de 1,5 °C.

Para conseguir isso, os líderes mundiais precisam cortar drasticamente as emissões que causam o aquecimento global e proteger partes do meio ambiente, como florestas e gelo marinho, que capturam naturalmente poluentes prejudiciais.

Sabemos que os líderes mundiais são mais propensos a agir quando nos ouvem na qualidade de Cidadãos Globais.

Assim, na qualidade de cidadãos globais, sugerimos aos nossos leitores que assinem aqui a petição que visa recomendar aos líderes mundiais que:

1. Parem com as mudanças climáticas, comprometendo-se com planos ambiciosos de mitigação que cortem significativamente as emissões de gases poluentes e limitem o aquecimentio do planeta a 1,5 °C. Se for mantido o ritmo atual de emissões de gases de efeito estufa, este valor só poderá ser alcançado entre 2030 e 2052;

2. Garantam apoios para as comunidades marginalizadas e para todas as pessoas que vivem na pobreza, sendo estas as que já estão a sofrer o maior impacto das consequências das mudanças climáticas;

3. Apoiar os esforços dos países com menores recursos económicos para os ajudar a reduzir as suas próprias emissões de gases poluentes e a fazer investimentos verdes.

Juntos e unidos, temos o poder de definir um rumo para um futuro seguro e estável, mas temos de agir agora e com ousadia.

 

Vício Em Celular | | STOP a Destruição do Mundo

Fotos: As marcas da destruição do planeta | | EL PAÍS

 

Juntos podemos fazer a diferença garantindo um futuro para todos.

Oceanos

OCEANOS
Espécies
ESPÉCIES
Água
ÁGUA
Florestas
FLORESTAS
Clima
CLIMA
Alimentação
ALIMENTAÇÃO
 

 

História da Hora do Planeta
Iniciado em Sydney, em 2007, pelo World Wildlife Fund (WWF) e seus parceiros, como um evento simbólico ( WWF Portugal)

A Hora do Planeta é agora um dos maiores movimentos de base do mundo para o meio ambiente. Realizada todos os anos no último sábado de março, a Hora do Planeta envolve milhões de pessoas em mais de 180 países e territórios, desligando suas luzes para mostrar apoio ao nosso planeta.

Mas a Hora do Planeta vai muito além da ação simbólica de desligar - ela tornou-se um catalisador para o impacto ambiental positivo, levando a grandes mudanças legislativas ao aproveitar o poder das pessoas e da ação coletiva.

A Hora do Planeta é de código aberto e damos as boas-vindas a todos, qualquer pessoa, para participar e ajudar a ampliar nossa missão de unir as pessoas para proteger nosso planeta.

 

Global Citizen

Global Citizen

Baiao Canal Fundadores.jpg

 

BEI concede 28,2 milhões de financiamento para água e saneamento no Norte

press.jpg

Sabrosa, Vila Real, 25 mar 2021 (Lusa) -- O Banco Europeu de Investimento (BEI) concedeu um empréstimo de 28,2 milhões de euros para melhorar o abastecimento de água e saneamento dos oito municípios que integram a Águas do Interior Norte (AdIN), foi hoje anunciado.

"São 28,2 milhões de euros de empréstimo do BEI, com condições mais vantajosas que o BEI consegue proporcionar, nomeadamente os prazos de amortização, as taxas de juro, os períodos de carência e que são relevantes para a sustentabilidade da empresa", afirmou Carlos Silva, presidente do conselho de administração da AdIN.

A empresa iniciou a sua atividade em janeiro de 2020 e é a entidade gestora dos serviços de abastecimento de água e de drenagem de águas residuais dos municípios de Freixo de Espada à Cinta, Mesão Frio, Murça, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Torre de Moncorvo e Vila Real, onde residem cerca de 100 mil habitantes.

Com este empréstimo e as candidaturas já aprovadas no âmbito do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), a AdIN conseguiu garantir o financiamento para os projetos delineados para os primeiros cinco anos de atividade. O montante global de investimento previsto para este período é de 56 milhões de euros.

"E isso responsabiliza a empresa. Tendo as fontes de financiamento temos que ter capacidade para aplicar os investimentos em todo o território", frisou Carlos Silva.

O financiamento do BEI vai ajudar a AdIN na renovação e reabilitação de infraestruturas de abastecimentos e água e saneamento de águas residais, proporcionando melhorias na qualidade ambiental e benefícios para a saúde dos cidadãos.

A empresa vai proceder à reabilitação dos sistemas de abastecimento de água, a fim de reduzir as perdas, bem como à modernização e racionalização dos sistemas de recolha e tratamento de águas residuais, nomeadamente através da requalificação e construção de Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR).

Pretende-se reduzir a poluição através da melhoria da qualidade dos efluentes descarregados nas águas superficiais da região e contribuir para reforçar a resiliência face aos riscos climáticos.

"O grande desafio da empresa é sermos mais eficientes e, se conseguirmos ganhar essa eficiência, aquilo que nós acreditamos é que a tarifa que hoje praticamos possa ser reduzida", afirmou Carlos Silva.

O acordo é apoiado pelo Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE) e o empréstimo será amortizado a 25 anos pela empresa.

"Como maior financiador internacional ao setor da água em Portugal, é com satisfação que apoiamos o programa de investimento da AdIN destinado a melhorar a prestação de serviços públicos básicos, como o abastecimento de água potável e o saneamento de águas residuais aos cidadãos do Norte de Portugal", afirmou o vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix, responsável pelas operações do banco em Portugal.

Por videoconferência, Mourinho Félix adiantou ainda que "esta operação demonstra o êxito do plano de investimentos para a Europa e reforça o apoio de longa data do BEI ao setor da água no país".

Catarina Dantas Machado, em nome da representação da Comissão Europeia em Portugal, disse que se trata de um "projeto bastante relevante no contexto do setor da água do Governo português" e está alinhado "com os objetivos ambientais da União Europeia".

Por sua vez, o presidente da Câmara de Sabrosa, Domingos Carvas, afirmou que este município vai receber um investimento de oito milhões de euros no âmbito da AdIN, "sobretudo na eficiência da água e do saneamento".

Neste concelho vai apostar-se na redução de perdas na rede de abastecimento de água e na renovação de 27 ETAR.

Fonte:Lusa/Noticias ao Minuto