Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL - Jornal

BAIÃO CANAL - Jornal

Paredes – Detido por tráfico de estupefacientes

ht.jpg

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Penafiel, no dia 23 de fevereiro, deteve um homem de 36 anos, por tráfico de estupefacientes, no concelho de Paredes.
No âmbito de uma investigação por tráfico de estupefacientes, que teve a duração de um mês, na localidade de Gandra, os militares da Guarda realizaram diligências de investigação, que culminaram na identificação e localização do suspeito. No decorrer da ação, foi realizada uma busca domiciliária, tendo sido possível apreender diverso material, destacando-se:
• 520 doses de canábis;
• Uma balança de precisão;
• Uma arma ilegal;
• 128 munições de diferentes calibres;
• Um telemóvel;
• Duas facas borboleta;
• Cinco facas de abertura automática;
• Oito soqueiras;
• Diverso material de embalamento.
O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Paredes.

Lousada – Detido por tráfico de estupefacientes

hjn.jpeg

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada, ontem, dia 27 de fevereiro, deteve um homem de 47 anos, por tráfico de estupefacientes, no concelho de Lousada.
No âmbito de uma ação de policiamento de proximidade, no concelho de Lousada, os militares da Guarda verificaram que o suspeito, ao aperceber-se da presença da Guarda, demonstrou algum nervosismo. No decorrer da ação e durante a abordagem o homem projetou algum material para um descampado, tentando a fuga apeada. Foi de imediato intercetado, tendo sido possível apreender 11 doses de heroína e oito doses de cocaína.
O suspeito, com antecedentes criminais por ilícitos da mesma natureza, foi detido e constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Lousada.

  Rota do Românico lança três novos programas turísticos na BTL

Venha-descobrir-a-RR-Mosteiro-de-Travanca-Amarante

A Rota do Românico participa, entre 28 de fevereiro e 3 de março, na 34.ª edição da BTL — Bolsa de Turismo de Lisboa, o maior evento de turismo realizado em Portugal.

Trata-se da 14.ª presença da Rota do Românico naquele certame, que se realiza, uma vez mais, na Feira Internacional de Lisboa (FIL), no Parque das Nações.

O stand da Rota do Românico está integrado na área expositiva da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, no Pavilhão 2 da FIL.

No evento, a Rota do Românico aproveitará a oportunidade para apresentar três novos programas turísticos: “Estrada Nacional 222 — A mais bela do mundo”, com a duração de cinco dias, concebido em parceria com a Fundação Inatel; “Douro Fantástico”, de quatro dias, com a Lusanova Tours & Travel; e, por último, “Venha descobrir a Rota do Românico”, de um dia, com a Roma Tours.

Uma das apresentações decorrerá no espaço da entidade regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal, no dia 1 de março, sexta-feira, pelas 17 horas.

Na última edição, em 2023, a BTL contou com a participação de 1401 expositores, 63 mil visitantes e 75 destinos internacionais.

A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos e dois centros de interpretação, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende).

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

DUAS DE LETRA - Lourdes dos Anjos | As Carquejeiras | c/ video


Lourdes dos Anjos

Da Calçada da Corticeira à Rampa das Carquejeiras

Lembro-me muito bem delas, das carquejeiras.
Chegavam ao Bonfim no começo da manhã em grupos de três ou quatro
Vestiam de forma estranha. Traziam um xaile com duas pontas que se cruzavam sobre o peito e depois davam um nó nas costas. Amarrado na anca um outro xaile que prendia a saia de roda e lhe amparava o filho que trazia no ventre
Ao seu lado um outro filho uma criança que nunca aprendeu a conjugar os tempos e os modos do verbo BRINCAR e que carregava uma cesta com ovos e limões para vender pelas portas que se abriam
Nos pés descalços uns trapos sujos e muitas vezes ensanguentados para se dizerem magoadas e assim enganar os polícias que aparecessem para as autuar por andarem descalças na cidade.
Claro que vos falo das carquejeiras que iniciavam a sua dolorosa peregrinação na margem direita do Douro, onde a carqueja era descarregada dos barcos rabelos, até às padarias da minha rua do Bonfim: a Santa Clara (que ainda resiste nas mãos da família Coelho), a Padaria Industrial (que deu lugar á vidraria “Carvalho”) e ainda a uma outra no Campo 24 de Agosto, há muito fechada (que chegou a ser propriedade de um irmão da minha mãe.).
Sobre a cabeça, um saco de serapilheira em forma de capuz que as protegia dos picos dos molhos de carqueja seca presos por uma corda que seguravam na testa como humanas éguas de carga.
Não sei como conseguiam equilibrar a montanha que transportavam e vendiam AOS MOLHOS para espevitar a lenha e o carvão dos fornos das padarias , das casas de pasto das redondezas e também de algumas casas "ricas" da Av. Camilo , das ruas dos Duques ou de D. João IV. Em troca recebiam uns míseros trocos que talvez pagassem a malga de caldo da ceia dos filhos.
O caminho do calvário fazia-se subindo a rampa (a pique) da Corticeira, depois atravessavam as Fontainhas e subiam outra (menos íngreme) rampa dos Padeiros onde, com alguma sorte, aliviavam parte da pesada carga
Seguiam-se a Rua do Bonfim e S. Roque da Lameira até á Praça das Flores.
Finalmente, era o regresso e o descanso na escadaria da Igreja do Bonfim para comerem um naco de carne gorda e a broa que traziam no bolso do avental de estopa que as abrigava do frio, da chuva e também do calor dos dias de verão para que o suor não lhes “cortasse” as coxas .
Eram as carquejeiras. Eram as heroínas que conheciam os nomes dos pássaros da Praça da Alegria, das peixeiras que apregoavam o nevoeiro e o mar que traziam nas canastras e até dos guarda noturnos que terminavam o seu trabalho na madrugada e com elas se cruzavam em S. Lázaro, ao cimo da Rua das Fontainhas ou no Largo do Padrão.
Eram as mulheres-ouriço que assustavam as meninas de batinha branca que, pelas nove horas entravam na escola do Campo 24 de Agosto levadas pela mão da "sopeira " de avental colorido e alma virgem de letras e números que só conhecia mesmo a porta desse lugar mágico onde as letras tinham nome e lugar marcado.
Lembrar as Carquejeiras é escrever um hino à coragem, ao amor e à abnegação das Mulheres que ajudaram a escrever a História do Porto e do Douro.
Também com ELAS aprendi lições de VIDA que me ajudaram a crescer e a tentar SER FELIZ.
 
 
 
AS CARQUEJEIRAS .
Amarrava na anca a dor de parir
no peito guardava o amor a florir
ás costas carregava o nascer do fogo
trazia o Douro correndo nas veias e
inventava margens em tempo de cheias
Trepava a escarpa pra chegar à cidade
escondia os pés em trapos rasgados
vendia seus passos no calvário da rua
sobre as pedras vestidas da miséria nua
Guardava na boca o cheiro a pão quente
prometia fartura ao filho abrigado no ventre
escondia o rosto no saco de serapilheira
e fazia do seu corpo uma besta carrejona
Sabia de cor cada janela que se abria
chamava pelo nome os pássaros que ouvia
com eles repartia o seu naco de broa
sonhava o sol em cada negra madrugada
e rezava aos santos uma prece praguejada
Na margem do Douro, os rabelos pariam
as dores de viver que nelas cresciam
Construíam montanhas de carqueja
com ela fizeram armas, sonhos e suor
lágrimas, escravatura , sustento e amor
e iam queimando o fogo da vida em cada dia
Elas foram mães, santas mães como Maria
foram mulheres, amantes e guerreiras
e deram o nome á Rampa das Carquejeiras
 
Lourdes dos Anjos
 

Video RTP

 

É tempo de abrir o apetite para a Feira do Fumeiro, do Cozido à Portuguesa e dos Vinhos de Baião

dest.jpg

A Câmara Municipal está a preparar a 18.ª edição da Feira do Fumeiro, do Cozido à Portuguesa e dos Vinhos de Baião, que decorrerá nos dias 1, 2 e 3 de março, destacando os sabores e as tradições gastronómicas do concelho.

Um dos eventos enogastronómicos de referência na região, um verdadeiro desafio à degustação de produtos de qualidade reconhecida e que reflete o carinho e o orgulho dos produtores baionenses que, todos os anos, se empenham para apresentarem o melhor da sua produção”, explicou o presidente da Câmara, Paulo Pereira.

Já o vereador responsável pelos Assuntos Económicos, José Lima, sublinhou o papel da Feira do Fumeiro, do Cozido à Portuguesa e dos Vinhos de Baião, como “incentivador da produção e promotor do vasto património existente, fator de atração de visitantes que, além de se deliciarem com a nossa gastronomia, podem desfrutar da enorme riqueza existente no concelho, em diversos domínios, também eles, pilares do nosso desenvolvimento. Este certame é um dos bons exemplos do que é o nosso território, da nossa identidade”, garantiu o autarca.

Cerca de três dezenas de produtores locais vão apresentar uma vasta seleção de produtos que refletem a autenticidade e os sabores genuínos de Baião, desde o presunto ao salpicão, passando pela moira, alheira, linguiça, entre outras iguarias de excelência.

Para os apreciadores da cozinha tradicional, estarão disponíveis pratos como o cozido à portuguesa, o arroz de moira com grelos ou o tradicional pastelão de salpicão, oferecendo experiências gastronómicas únicas.

Os vinhos verdes da casta avesso da sub-região de Baião, dão o seu toque especial aos pratos típicos, evidenciando a seu sabor frutado de qualidade reconhecida, com baixo teor de acidez e aroma marcante.

Os doces, onde pontua o famoso biscoito da Teixeira, acompanhado por outros tesouros da doçaria regional, como compotas, licores e chocolates, são tentações irresistíveis.

A animação é constante com atuações de grupos folclóricos, artistas e bandas locais e regionais de música popular portuguesa.

A Feira do Fumeiro, do Cozido à Portuguesa e dos Vinhos de Baião é uma oportunidade imperdível para conhecer e saborear o melhor da gastronomia e dos vinhos da região. No primeiro fim-de-semana de março, a Câmara Municipal convida toda a população para momentos únicos de convívio e degustação.

Santo Tirso – Detido por posse de arma proibida

´´««.jpg

O Comando Territorial do Porto, através do Núcleo de Investigação Criminal (NIC) de Matosinhos, ontem, dia 22 de fevereiro, deteve um homem de 57 anos, por posse de arma proibida, no concelho de Santo Tirso.
No âmbito de uma investigação por ameaça com recurso a arma de fogo, que teve uma duração de cerca de oito meses, no concelho da Maia, os militares da Guarda realizaram diligências policiais que culminaram na realização de uma busca domiciliária e outra em veículo, resultando na apreensão do seguinte:
• Uma reprodução de arma de fogo;
• 70 munições;
• Uma lanterna capaz de efetuar descargas elétricas (taser).
No decorrer da ação, foram ainda realizadas fiscalizações a animais de companhia e aves detidas pelo suspeito, onde foram identificadas diversas infrações às disposições referentes a animais de companhia e à convenção de CITES. Da ação resultou a elaboração de dez autos de contraordenação, quatro por falta de vacina antirrábica, dois por falta de identificação eletrónica (chip), duas por falta de licença de detenção, posse e circulação de canídeos, um por falta de registo no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e um por excesso de animais em alojamento. Foram ainda apreendidas quatro aves, dois tordos (Turdus philomelos), um papagaio (Psittacidae) e um melro (Turdus merula), três das quais foram entregues no Parque Biológico de Gaia.
No seguimento da ação policial, o suspeito foi detido e constituído arguido e os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial da Maia.
A ação contou com o reforço da Secção de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (SPCPC) de Matosinhos, do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) de Matosinhos e Santo Tirso.

Museu do Aljube Resistência e Liberdade | Concurso de ilustração, com o tema «Democracia e Liberdade».

gftd.jpg

Participa no segundo concurso de ilustração, até 31 de março, com o tema «Democracia e Liberdade». Como forma de celebrar os 50 anos do 25 de Abril, o Museu do Aljube desafia-vos a expressarem a vossa criatividade, através da ilustração.
• 1º. Prémio: 300 €
• 2.º Prémio: 200 €
• 3.º Prémio: 100 €
Para esclarecimentos e inscrições:
educaljube@museudoaljube.pt
Ilustração martanunesilustra

Preços dos combustíveis próxima semana.

gggg.jpg

 

Gasóleo baixa três cêntimos e gasolina 1,5 esta é a previsão de preços para a semana de 26/02 a 03/03

Assim, a partir de segunda-feira,  o preço médio do gasóleo simples deverá ser de 1,634 euros por litro.

 Já a gasolina simples 95 deverá ficar pelos 1,718 euros por litro, tendo por base os preços divulgados pela Direção Geral de Energia e Geologia.

III Gala Grupo TOP celebra o mérito e excelência dos seus consultores Imobiliários

 

Equipa REMAX TOP.jpg

No dia 17 de fevereiro, o Salão Atlântico do Casino de Espinho foi o palco
escolhido para a III Gala Grupo TOP, um evento que celebrou e reconheceu o mérito e excelência dos seus
consultores imobiliários ao longo do ano de 2023.
A noite foi marcada por uma atmosfera de festa e glamour, onde Brokers, Staff e Consultores
estiveram reunidos para celebrar “o melhor ano de sempre”, tanto de forma coletiva, como individual. Desde
Consultores Imobiliários experientes até talentos emergentes, a Gala destacou o compromisso e dedicação
demonstrados por cada um dos seus participantes.
O evento contou com uma variedade de atividades de entretenimento e jantar, incluindo a entrega de
prémios nas diversas categorias, proporcionando reconhecimento público aos vencedores pelo seu trabalho
exemplar e objetivos alcançados. Além disso, os presentes foram regalados com performances de destaque,
incluindo apresentações do grupo de dança Alma no Ritmo e a comédia cativante do “pai” do humor
contemporâneo português, Herman José.
A presença de elementos da RE/MAX Portugal no evento acrescentou um toque de prestígio à Gala,
demonstrando o apoio contínuo da organização ao sucesso e crescimento do Grupo RE/MAX TOP.
Por fim, a III Gala Grupo TOP foi mais do que uma simples celebração na medida em que constitui
uma oportunidade para a comunidade do Grupo RE/MAX TOP se unir em reconhecimento mútuo, de forma a
servir de inspiração para futuras conquistas e gerações TOP.
Sobre a RE/MAX Grupo TOP:
O Grupo RE/MAX TOP é constituído por 3 agências (Penafiel, Baião e Gandra-Paredes) e mais de 60
consultores imobiliários. O maior Grupo Imobiliário do Vale do Sousa, Tâmega e Douro é recorrentemente
reconhecido pelo seu profissionalismo, qualidade, excelência e inovação no setor.
Sob o mote “Fazemos Famílias Felizes” o Grupo, que celebra o seu 18º aniversário em Maio, tem
vindo a conquistar, ano após ano, o melhor ano de sempre, reflexo do crescimento contínuo e estável.

JOSÉ AFONSO MORREU HÁ 37 ANOS

gfr.jpg

"O que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a criar alibís para justificar o nosso conformismo, entao está tudo lixado! (…) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de “homenzinhos” e “mulherzinhas”. Temos é que ser gente, pá!"

José Afonso em entrevista a Viriato Teles, in «Se7e», 27/11/85

Câmara de Baião lançou a concurso a requalificação do Pavilhão Multiusos  

PM.jpg

Foi lançada a concurso, no dia 20 de fevereiro, a obra de requalificação do Pavilhão Multiusos de Baião. A empreitada, envolvendo um investimento a rondar 1 milhão e 155 mil euros, terá prazo de execução de 300 dias e irá permitir recuperar todas as valências do equipamento e devolvê-lo à fruição dos baionenses.

Finalmente, foi possível lançar esta obra a concurso, ao fim de quase duas décadas de muitos problemas, e de uma procura constante de financiamento, uma vez que se trata de um investimento muito avultado. E apesar do financiamento obtido até ao momento ser manifestamente insuficiente, não podemos adiar mais a qualificação deste equipamento tão importante, mas que apresenta deficiências estruturais desde a sua construção”, explicou o presidente da Câmara, Paulo Pereira.  

Recorde-se que o governo atribuiu, há cerca de um ano, um apoio na ordem dos 468 mil e 500 euros, através da assinatura de um contrato-programa, e que mereceu a visita do Secretário de Estado da Administração Local e do Ordenamento do Território, Carlos Miguel.

 Sendo insuficiente para custear a obra, tem levado a autarquia a desenvolver todos os esforços no sentido de obter outros eixos de financiamento.

Não tendo havido, até agora, outras fontes de financiamento, nomeadamente no quadro comunitário que está a terminar, Paulo Pereira referiu que “a esperança de que seja possível obter apoio financeiro para a obra reside agora no PT 2030, no qual contamos ter a oportunidade de obter apoio que permita aliviar o esforço financeiro do município”, revelou, adiantando que a autarquia continuará “atenta a todas as possibilidades que venham a ser criadas”.

O autarca, sublinhando a necessidade do avanço da obra, lembrou que “o Pavilhão Multiusos do Município é um equipamento de grande relevo para a população, pelas diversas atividades desportivas e culturais que ali se desenvolvem, e pelo facto de permitir e incentivar a prática desportiva, nos vários escalões etários”.

Para Paulo Pereira, a sua requalificação “é uma necessidade urgente e há muito identificada, sendo que a sua renovação será mais um passo relevante no sentido da melhoria da qualidade de vida dos baionenses, como é nosso objetivo”, garantiu.

Os erros de construção verificados no edifício, diagnosticados praticamente desde a sua abertura, em 2005, sobretudo pelas infiltrações que foi evidenciando, foram-se agravando, pelo que a atividade desportiva foi registando alguns episódios pontuais de suspensão, devido aos problemas de isolamento e da cobertura.

Em janeiro último, a Câmara Municipal de Baião viu-se obrigada a encerrar o recinto principal do equipamento, em face da degradação, acelerada pelo mau tempo, concluindo que não estavam reunidas as condições de segurança.

O vice-presidente da Câmara, responsável pelo pelouro do Associativismo e Desporto, Filipe Fonseca, deu nota da sua “satisfação” pelo lançamento do concurso, realçando tratar-se de “um equipamento de grande importância para Baião, acolhendo atividades diárias, desportivas e lúdicas, além de outro tipo de eventos e encontros da nossa comunidade, e mesmo de entidades externas que nos têm solicitado a sua utilização. Por isso, pretendemos que, no mais breve prazo possível, volte a estar completamente disponível, beneficiando de todas as condições de segurança, funcionalidade e conforto para usufruto dos baionenses”, esclareceu o autarca.

Os trabalhos a realizar apontam para a requalificação de todo o edifício, numa intervenção de reparação e conservação ao nível da cobertura, das paredes exteriores e dos espaços interiores que se encontram degradados, estando previstos ainda melhoramentos na eficiência energética e condições térmicas e acústicas, que transformarão o Pavilhão Multiusos de Baião, num espaço mais sustentável e confortável para os utilizadores.

 

 

 

Artur Jorge, antigo selecionador português e treinador campeão europeu pelo FC Porto, morreu aos 78 anos

ai.png

FPF

Morreu, aos 78 anos, Artur Jorge, antigo internacional, Selecionador Nacional e treinador campeão europeu pelo FC Porto.

Jogador com passagens marcantes pela Académica e SL Benfica, onde conquistou quatro campeonatos, começou a carreira no FC Porto e ainda teve passagens por CF Belenenses  e a equipa norte-americana do Rochester Lancers.

Foi internacional português por 16 vezes e marcou um golo com a camisola das Quinas. 

Foi treinador, entre muitos clubes, do CF Belenenses, do Vitória SC, do Portimonense SC, do FC Porto, onde venceu a primeira Taça dos Campeões Europeus, em 1987, Matra Racing (França), Tenerife (Espanha), Vitesse (Países Baixos), Paris Saint-Germain (França), Al Nassr e Al Hilal (Arábia Saudita), Académica, CSKA Moscovo (Rússia), Al Nasr (Kuwait), Creteil Lusitanos (França) e Alger (Argélia).

Teve duas passagens pela Seleção Nacional, nas qualificações para o Euro 1992 e e para o Mundial 1998, e também esteve ao leme das equipas nacionais dos Camarões e Suíça. 

Como treinador, foi campeão português por três vezes ao serviço do FC Porto e também conquistou o título nacional francês ao serviço do Paris St Germain.

Maia – Detido por tráfico de estupefacientes

hjn.jpeg

O Comando Territorial do Porto, através do Subdestacamento Territorial da Maia, no dia 19 de fevereiro, deteve um homem de 32 anos, por tráfico de estupefacientes, no concelho da Maia.
No âmbito de uma ação de policiamento de proximidade, os militares da Guarda abordaram uma viatura e verificaram que o condutor demonstrava um comportamento suspeito. No decorrer da ação, foi realizada uma revista pessoal de segurança ao suspeito e uma busca ao veículo, na sequência das quais foi possível verificar que o homem se encontrava na posse de produtos estupefacientes, motivo que levou à sua detenção em flagrante.
Da ação resultou a apreensão do seguinte material:
• 332 doses de haxixe;
• Três doses de cocaína.
O detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial da Maia.

𝗖𝗿𝗮𝘃𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗔𝗯𝗿𝗶𝗹 - 𝗖𝗶𝗰𝗹𝗼 𝗱𝗲 𝗰𝗶𝗻𝗲𝗺𝗮-𝗱𝗼𝗰𝘂𝗺𝗲𝗻𝘁𝗮𝗹 em Aveiro

ja.png

𝗖𝗿𝗮𝘃𝗼𝘀 𝗱𝗲 𝗔𝗯𝗿𝗶𝗹 - 𝗖𝗶𝗰𝗹𝗼 𝗱𝗲 𝗰𝗶𝗻𝗲𝗺𝗮-𝗱𝗼𝗰𝘂𝗺𝗲𝗻𝘁𝗮𝗹 em Aveiro
50 Anos do 25 de Abril
No contexto das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril, a 𝗔𝘀𝘀𝗼𝗰𝗶𝗮𝗰̧𝗮̃𝗼 𝗝𝗼𝘀𝗲́ 𝗔𝗳𝗼𝗻𝘀𝗼 - 𝗡𝘂́𝗰𝗹𝗲𝗼 𝗥𝗲𝗴𝗶𝗮̃𝗼 𝗱𝗲 𝗔𝘃𝗲𝗶𝗿𝗼, leva a efeito um ciclo de cinema evocativo das lutas pela liberdade, com a colaboração da VIC // Aveiro Arts House , no período de Fevereiro a Maio de 2024, sob o título Cravos de Abril.
A primeira sessão ocorrerá já no próximo dia 24 de Fevereiro, pelas 18h 30m, no auditório da VIC // Aveiro Arts House, na Rua do Príncipe Perfeito, 14 – Aveiro (junto ao Museu Sta. Joana), com a projecção do filme, de Luís Filipe Costa, “As lutas de um povo”. Trata-se de um documentário, realizado no ano 2000, sobre a luta do povo português pelo restabelecimento da liberdade e da democracia, contra o regime autoritário do “Estado Novo”, a que esteve submetido durante 48 anos.
Não se pode saber inteiramente o que é a liberdade sem saber o que é a sua ausência e, é a salvaguarda da memória da opressão que nos permite manter a consciência dos perigos que, entre nós, representou a ditadura.
Entrada livre.

Pág. 1/4