Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL - Jornal

BAIÃO CANAL - Jornal

Duas de Letra | Lourdes Dos Anjos | MAS...ATÉ QUANDO?

71019491_2710612632304594_2160022908099887104_n.jp

ATÉ QUANDO!?...
Esta minha fome de justiça ...séria e limpa
esta vontade enorme de liberdade franca
esta ânsia de pão sem bolor numa toalha branca
esta vergonha de, hoje, ser quase igual a ontem!?...
ATÉ QUANDO!?...
Este tempo enevoado de perder forças e coragem
este amanhecer silenciado e triste sem mudança
este aceitar e ir calando a raiva em cada dia
este sentir que os braços se cruzam sem alegria!?...
ATÉ QUANDO!?...
Tudo isto é TUDO o que os senhores do mundo querem
São as armas com que Eles nos algemam e ferem
mas porque são livres a Paz ,a Esperança e a Felicidade
elas estão vivas e prontas para lutar ao lado da Humanidade.
E eu quero matar a minha fome de justiça...séria e limpa
MAS...QUANDO?

Museu do Aljube Resistência e Liberdade | Dia 4 de Abril, entre as 16h e as 20h

mu.jpg

Em contagem decrescente para a inauguração da nova exposição temporária no museu, "25 de Abril SEMPRE!".
Uma viagem pelas resistências desde o 25 de Abril de 1974 até aos nossos dias para sonharmos juntos o futuro em democracia.
Neste antigo parlatório de uma das prisões privativas da PIDE, convidamos à reflexão sobre resistências e também sobre preservação, construção e partilha de memória democrática.
 

NÃO ESQUEÇA É JÁ ESTE FIM DE SEMANA! Mudança de hora

hora m.jpg

O horário de verão 2024 começa oficialmente em Portugal no domingo dia 31de março  (na madrugada de sábado para domingo).

Os relógios devem ser adiantados uma hora. Este é, assim, o dia mais curto do ano, onde desaparece uma hora em todos os relógios.

A mudança do horário de inverno para o horário de verão é feita todos os anos sempre no último domingo de março

POLÍTICA | Paulo Portela suspende mandato de vereador na Câmara Municipal

 Em nota de imprensa enviada ao nosso Jornal, informa o PSD Baião, que "Paulo Portela, vereador do PSD, pede suspensão de mandato do Executivo de Baião"

Screenshot_2024-03-28-11-39-53-535-edit_com.androi

 O vereador do PSD na Câmara Municipal de Baião, Paulo Portela, anunciou, esta quarta-feira, em reunião do Executivo Municipal, que vai solicitar a suspensão do mandato pelo período de um ano. O primeiro vereador do PSD alegou “desafios empresariais” para fazer uma pausa de um ano.

“Quero comunicar a esta Câmara e aos Baioneses que vou pedir a suspensão de mandato até um ano, de acordo com o que me é permitido por lei”, começou por referir Paulo Portela, cabeça de lista do PSD Baião, nas últimas eleições autárquicas.

O social democrata revelou depois que “surgiram assuntos profissionais com desafios empresariais que vão contribuir para o crescimento do Grupo [Viasil] que lidero e que vai obrigar a que, no mínimo de seis meses, esteja mais presente”, disse.

Paulo Portela assume que a decisão de suspender o mandato se enquadra naquilo que sempre defendeu: “a separação da vida política e da vida empresarial, sem promiscuidade. Tenho sido convidado para colaborar com instituições mas tenho recusado dado à minha forma de estar na política”, explicou.

Face à nova realidade que se lhe depara e pesados os prós e os contras, Portela revelou que, agora (nos próximos meses) vai “estar ao lado dessas instituições e assim contribuir para as desenvolver com a implementação de novas formas de gestão e de objetivos, contribuindo, assim, de outra forma para o desenvolvimento de Baião. Esse trabalho vai durar cerca de nove [9] meses”, referiu. 

Despedindo-se dos baioneses com um “obrigado e até breve”, Paulo Portela, garantiu: “vou continuar cá, em Baião, a fazer melhor pelo nosso concelho de forma diferente, mais e melhor. Estarei, como sempre disponível e nunca, em momento algum, vou abdicar  dos meus deveres e direitos de cidadão”, concluiu.

 

Iberian Ensemble atua em Resende e Paços de Ferreira

 iberian-ensemble-na-igreja-cinfaes.jpg

O grupo de música antiga Iberian Ensemble regressa à Rota do Românico nesta semana de Páscoa para mais duas apresentações do Ciclo de Concertos pelo Interior do Património 2023-24.

A primeira apresentação está agendada para Quinta-feira Santa, 28 de março, às 21h30, na Igreja de São Martinho de Mouros, em Resende.

No dia seguinte, Sexta-feira Santa, 29, à mesma hora, será a vez da Igreja antiga de São Pedro de Sanfins de Ferreira, em Paços de Ferreira, receber os músicos Alexandre Andrade, na flauta barroca, e Ivan Oliveira, na teorba e guitarra barroca.

O Iberian Ensemble dedica o seu trabalho à performance histórica de repertórios dos séculos XVII e XVIII. Partindo de instrumentos da época, os seus programas procuram evidenciar os grandes compositores de referência europeia, bem como os mestres do barroco ibérico.

A Igreja de São Martinho de Mouros, Monumento Nacional desde 1922, ocupa um lugar de destaque no românico português, desde logo pela robustez da sua fachada turriforme. Porém, não obstante a sua aparência militar, nunca cumpriu funções que não fossem as litúrgicas. No interior, destaca-se a capela-mor profundamente alterada na Época Moderna. O início da construção desta Igreja de São Martinho terá ocorrido no ano de 1217.

Por seu turno, a velha Igreja de São Pedro de Sanfins integrava no século XVI, data da sua edificação, a Terra de Ferreira, sendo da apresentação do arcebispo de Braga. No interior, destacam-se os vestígios de pintura mural, entre os quais uma representação de São Brás de grande qualidade.

O Ciclo de Concertos pelo Interior do Património conta com o apoio da Direção-Geral das Artes e da Rota do Românico.

A Rota do Românico é um projeto turístico-cultural, que reúne 58 monumentos e dois centros de interpretação, distribuídos por 12 municípios: Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende.

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

Bjazzz canta Abril - em Oliveira de Frades

bjazz.jpg

50 𝓪𝓷𝓸𝓼 𝓭𝓸 25 𝓭𝓮 𝓪𝓫𝓻𝓲𝓵
06.04.2024
21.30
Igreja de São Pelágio
Bilheteira voluntária: 2 cravos
Em ano de comemoração, a ACROF em parceira com União das Freguesias de Oliveira de Frades, Souto de Lafões e Sejães e o Município de Oliveira de Frades celebra 50 anos de Liberdade com um concerto do BJazz - 𝓒𝓪𝓷𝓽𝓪 𝓐𝓫𝓻𝓲𝓵 

"Lousada Voleibol Clube realiza Master Class de Xadrez

Cartaz_A.jpg

No próximo sábado, 30 de março de 2024, a secção de Xadrez do Lousada Voleibol Clube (LVC) promove uma Master Class de Xadrez, durante todo o dia, em colaboração com o CLAP de Lousada , local onde decorrerá esta
inciativa, sendo uma oportunidade imperdível para os entusiastas do xadrez aprimorarem suas habilidades na modalidade ou então darem os primeiros passos no mundo mágico das 64 casas.

Dividida em dois grupos, a Master Class terá como responsável Esteban Caro, distinto xadrezista do LVC, que possui um impressionante históricode conquistas, incluindo seis títulos de Campeão de Primeira Classe doCampeonato Provincial de Corrientes, na Argentina. Este grupo da Master Class será direcionado para aqueles já com um domínio dos conceitos
essenciais do jogo e buscam aprofundar suas competências nas diferentes fases do jogo, incluindo aberturas, meio-jogo e finais.
Já o segundo grupo será conduzido por Vitor Cardoso, FIDE LSI e árbitro nacional, e é destinado a todos os interessados em iniciarem-se no xadrez ou consolidar seus conhecimentos para ingressar na prática federada.
As inscrições para a Master Class estão abertas a todos os interessados, com um custo de 15 euros, devendo as inscrições serem efetuadas através do email: xadrez@lousadavc.pt.
Esta iniciativa do LVC tem como objetivo fomentar o interesse pelo xadrez entre a população, e conta com o apoio do CLAP - Centro de Línguas e Apoio Pedagógico e do Município de Lousada, sendo uma oportunidade única para aprimorar quem deseja entrar no mundo competitivo do xadrez ou aprimorar as suas competências na modalidade."

Balanço da Campanha “2 Rodas: Agarre-se à Vida”

a.png

A Campanha de Segurança Rodoviária “2 Rodas: Agarre-se à Vida”, da responsabilidade da Autoridade
Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Polícia de Segurança
Pública (PSP), decorreu entre os dias 19 e 24 de março e teve como objetivo alertar os condutores,
nomeadamente os de duas rodas a motor, para uma condução segura, cumprindo as regras do Código da
Estrada e evitando comportamentos de risco, como: a condução sob influência do álcool, o excesso de
velocidade e a incorreta utilização dos dispositivos de segurança.
Esta campanha contou, uma vez mais, com a participação dos serviços das administrações regionais dos
Açores e da Madeira na realização de ações de sensibilização, completando o trabalho de fiscalização que
tem sido realizado pelos comandos Regionais da PSP.
Inserida no Plano Nacional de Fiscalização (PNF) de 2024, a campanha foi divulgada nos meios digitais, nos
Painéis de Mensagem Variável e através de quatro ações de sensibilização da ANSR, realizadas em
simultâneo com as operações de fiscalização levadas a cabo pela GNR e pela PSP, em Braga, Cascais,
Condeixa-a-Nova e Porto. Idênticas ações ocorreram nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira.
Na campanha “2 Rodas: Agarre-se à Vida” foram sensibilizados 278 condutores e passageiros, a quem
foram transmitidas as seguintes mensagens:
• Os utilizadores de motociclos e de ciclomotores, quando envolvidos em acidentes rodoviários,
têm um risco mais elevado de sofrer consequências graves do que as pessoas que circulam
noutros veículos. Este risco deve-se à sua vulnerabilidade por não possuírem a proteção do
habitáculo;
• O uso de capacete de modelo homologado, devidamente apertado e ajustado, reduz em 40% o
risco de morte em caso de acidente. A utilização de outros equipamentos de proteção como luvas,
botas, blusão com proteções, calças com proteção CE e airbag, contribuem para reduzir a
gravidade das consequências em caso de acidente.
Durante as operações das Forças de Segurança no âmbito desta campanha, realizadas entre os dias 19 e
24 de março, foram fiscalizados em controlo de velocidade por radar 3,4 milhões de veículos, 3,3 milhões
dos quais pelo SINCRO – Sistema Nacional de Controlo de Velocidade, da responsabilidade da ANSR.
Em termos de fiscalização presencial, as Forças de Segurança procederam à fiscalização de 52,1 mil
veículos.
Do total de 3,4 milhões de veículos fiscalizados durante a campanha, registaram-se 18,8 mil infrações.

ds.png

Nesta campanha, registou-se um total de 2.034 acidentes, de que resultaram 8 vítimas mortais, 35 feridos
graves e 573 feridos leves.
Relativamente ao período homólogo de 2023, verificaram-se menos 67 acidentes, mais 3 vítimas mortais,
menos 7 feridos graves e mais 3 feridos leves.
As 8 vítimas mortais, todas do género masculino, tinham idades compreendidas entre 23 e 67 anos.
Os acidentes com vítimas mortais ocorreram nos distritos de Braga, Porto (2), Leiria, Santarém, Lisboa e
Beja (2).
Estes acidentes consistiram em 3 atropelamentos (por 2 veículos ligeiros e 1 pesado de passageiros), 3
colisões (envolvendo 2 veículos ligeiros, 2 veículos pesados, 2 motociclos e 1 ciclomotor) e 2 despistes (de
1 veículo ligeiro em curva e 1 ciclomotor em reta).
Os acidentes acima descritos ocorreram em 2 autoestradas, 2 estradas nacionais, 2 arruamentos, 1 estrada
municipal e 1 via de outro tipo.
Esta foi a terceira das 12 campanhas de sensibilização e de fiscalização planeadas no âmbito do PNF de
2024. Até ao final do ano serão realizadas mais nove campanhas, uma por mês, com ações de sensibilização
e de fiscalização.
As campanhas inseridas nos planos nacionais de fiscalização são realizadas pela ANSR, GNR e PSP, desde
2020, com temáticas definidas com base nas recomendações europeias estabelecidas para cada um dos
anos.
O PNF de 2023 consagrou como prioritários os temas: Velocidade, Álcool, Acessórios de segurança e
Telemóvel. Relativamente a 2024, para além dos quatro temas acima referidos, foi ainda adicionado um
novo capítulo sobre a fiscalização dos veículos de duas rodas a motor.
Das três campanhas que decorreram este ano, foram realizadas 11 ações, durante as quais mais de 1100
pessoas foram sensibilizadas presencialmente. Quanto a ações de fiscalização, o número de condutores
fiscalizados presencialmente foi de 152,2 mil, enquanto cerca de 8,5 milhões de veículos foram fiscalizados
por radar.
A sinistralidade rodoviária não é uma fatalidade e as suas consequências mais graves podem ser evitadas
através da adoção de comportamentos seguros na estrada.

Ana Lains - "Livres" .Uma gaivota voava, voava | Grito de liberdade de um povo | Letra e vídeo | Gravado ao vivo Coliseu dos Recreios

somos livres

 

Letra e música: Ermelinda Duarte, Javier Tamames.

Ontem apenas
fomos a voz sufocada
dum povo a dizer não quero;
fomos os bobos-do-rei
mastigando desespero.

Ontem apenas
fomos o povo a chorar
na sarjeta dos que, à força,
ultrajaram e venderam
esta terra, hoje nossa.

Uma gaivota voava, voava,
assas de vento,
coração de mar.
Como ela, somos livres,
somos livres de voar.

Uma papoila crescia, crescia,
grito vermelho
num campo cualquer.
Como ela somos livres,
somos livres de crescer.

Uma criança dizia, dizia
"quando for grande
não vou combater".
Como ela, somos livres,
somos livres de dizer.

Somos um povo que cerra fileiras,
parte à conquista
do pão e da paz.
Somos livres, somos livres,
não voltaremos atrás.

Somos Livres é uma canção datada de 1974 interpretada pela actriz Ermelinda Duarte[1].

Também conhecida como A Gaivota Voava, Voava[2], a canção celebra a liberdade conquistada, tendo sido, pelo seu simbolismo, um dos temas mais populares a seguir ao derrube da ditadura do Estado Novo e fim da censura pela Revolução de 25 de Abril[3][4].

A canção, escrita por Ermelinda Duarte, com arranjos de José Cid, pertencia à peça de teatro Lisboa 72/74, da autora teatral e encenadora Luzia Maria Martins[5][6], então levada à cena no Teatro Estúdio de Lisboa na altura em funcionamento num edifício situado na Feira Popular, em Lisboa [1][7].

Mário Martins, da editora Valentim de Carvalho, convenceu Ermelinda Duarte a gravá-la em disco e a RTP fez um vídeo da canção.

 

AVISO À POPULAÇÃO | AUTORIDADE NACIONAL DE EMERGÊNCIA E PROTEÇÃO CIVIL

PRECIPITAÇÃO, VENTO, AGITAÇÃO MARÍTIMA E QUEDA DE NEVE – MEDIDAS PREVENTIVAS

chuva.jpg

1. SITUAÇÃO
De acordo com a informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), prevê-se, para as próximas 72 horas, precipitação, vento, agitação marítima e queda de neve, destacandose o seguinte:
− Precipitação, por vezes forte e persistente, que poderá ser de granizo e acompanhada de trovoada, a partir de quarta-feira, dia 27 de março;
− Vento, por vezes forte, nas terras altas e no litoral oeste com rajadas até 80km/h, ao final da tarde do dia 25 de março. Vento com rajadas de 100 km/h nas terras altas, em especial na Serra da Estrela, no dia 26 de março. Vento predominando de sudoeste, com rajadas até 85km/h a partir da tarde do dia 27 de março, nas regiões Norte e Centro, podendo ser superiores a 90 km/h nas terras altas;
− Agitação marítima forte com ondas de noroeste na costa ocidental, agravando durante a tarde, do dia 26 de março, atingindo 6 a 7 metros a norte do Cabo Carvoeiro (altura máxima de 12 metros);
− Queda de neve nas terras altas, em especial do Norte e Centro, descendo a cota gradualmente para os 600/800 metros, podendo também ocorrer queda de neve nas serras de São Mamede e de Monchique, na madrugada e manhã do dia 26 de março.
Informação meteorológica em www.ipma.pt
2. EFEITOS EXPECTÁVEIS
Atendendo à alteração das condições meteorológicas, com previsão de precipitação, vento, agitação marítima e queda de neve, é expectável:
– Piso rodoviário escorregadio devido à possibilidade de acumulação de gelo, neve e formação de lençóis de água;
– Possibilidade de queda de neve em áreas e a altitudes onde habitualmente não se verifica;
– Dificuldades de drenagem em sistemas urbanos, nomeadamente as verificadas em períodos de preia-mar, podendo causar inundações nos locais historicamente mais vulneráveis;
– Possíveis acidentes na orla costeira devido à forte agitação marítima;
2/3
– Ocorrência de inundações em zonas urbanas, causadas por acumulação de águas pluviais por obstrução dos sistemas de escoamento ou por galgamento costeiro;
– Possibilidade de queda de ramos ou árvores, bem como de afetação de infraestruturas associadas às redes de comunicações e energia;
– Danos em estruturas montadas ou suspensas;
– Desconforto térmico na população devido à descida acentuada da temperatura mínima.
3. MEDIDAS PREVENTIVAS
A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) recorda que o impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados, pelo que, e em particular nas zonas historicamente mais vulneráveis, se recomenda a adoção das principais medidas preventivas para estas situações, nomeadamente:
– Garantir a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas do degelo;
– Prestar atenção aos grupos mais vulneráveis (crianças nos primeiros anos de vida, doentes
crónicos, pessoas idosas ou em condição de maior isolamento, trabalhadores que exerçam atividade no exterior e pessoas sem abrigo);
– Garantir uma adequada fixação de estruturas soltas, nomeadamente, andaimes, placards e outras estruturas suspensas;
– Ter especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, estando atento para a possibilidade de queda de ramos e árvores, em virtude de vento mais forte;
– Ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros, evitando a circulação e permanência nestes locais;
– Não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar, evitando ainda o estacionamento de veículos muito próximos da orla marítima;
– Adotar uma condução defensiva, reduzindo a velocidade e tomando especial atenção à eventual acumulação de neve e/ou formação de lençóis de água nas vias rodoviárias;
– Evitar a circulação em vias afetadas pela acumulação de neve e quando isso não for possível, adotar as seguintes medidas:
• Verificação do estado dos pneus e respetivas pressões;
• Transporte e colocação das correntes de neve nos veículos;
N.º AVISO/7/DCS/2024
AUTORIDADE NACIONAL DE EMERGÊNCIA E PROTEÇÃO CIVIL
Av. do Forte | 2794-112 Carnaxide – Portugal
T.: 351 21 424 7100 | www.prociv.pt
3/3
• Assegurar o abastecimento de combustível em níveis que permitam percorrer trajetos alternativos ou a permanência do veículo em funcionamento por longos períodos de tempo, em caso de retenção nas vias afetadas;
• Nos veículos elétricos, deve ser verificada a carga da bateria e analisada a existência de postos de carregamento no seu itinerário;
• Garantir que os sistemas de aquecimento dos veículos se encontram em bom estado de funcionamento;
• Providenciar alimentos adequados em quantidade e características, assim como medicamentos, de acordo com o número e tipologia de ocupantes dos veículos.
– Nas vias afetadas pela acumulação de neve, evitar viagens com crianças, idosos ou pessoas com necessidades especiais;
– Evitar circular naquelas vias com veículos pesados, em particular articulados, veículos com reboque e veículos de tração traseira;
– Restringir ao máximo possível os movimentos de veículos e de pessoas apeadas, nas zonas potencialmente afetadas pela queda de neve;
– Não atravessar zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas;
– Estar atento às informações da meteorologia e às indicações da Proteção Civil e Forças de Segurança.

Preço dos combustíveis semana de 25 a 31 março

gggg.jpg

Nova semana novo aumentos na gasolina e no gasóleo!

O preços médio da gasolina deverá aumentar 3,5 cêntimo por litro e do diesel  2 cêntimos.

Caso se confirmem as previsões para a próxima semana, o preço médio do gasóleo simples deverá fixar-se nos

1,636 €/l enquanto o da gasolina simples 95 deverá subir para 1,77 €/l.

Pág. 1/4