Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

OBLIQUIDADES (4) | Jaime Milheiro

Jaime milheiro psicanalista.jpg

Integrados numa cultura que, na tentativa de  remendar  as perversidades que por toda a parte circulam, alimenta dispendiosíssimos enredos à volta de coisa nenhuma, dificilmente avaliamos a ilusão de muitas das motivações que nos procedem.

Inúmeras organizações e pessoas  reforçam-se e reforçam-nos nesse  sentido, enclausuradas nas estreitas canalizações do que  pretenderíamos ser. Funcionam  nas aparências, desbaratam longitudes, atrofiam objectivos...

 

                                               (Patrocinam emboscadas,

                                               fanfarronam armadilhas,

                                               abençoam falcatruas…)

 

sempre encavalitadas em magníficos retratos

e sempre pavorosamente esquecendo algumas essências fundamentais da civilização  inteligente a que dizem pertencer.

Na novidade dos comprimidos e nos apregoados horizontes dos paraísos  anunciados, creditam-se ninharias, cultivam-se bugigangas, repenicam-se-se magias, desembrulham-se missangas, jamais  interrogando ou  esclarecendo a pobreza de oportunismos comerciais...

 

                                               (Inundações e pastagens,

                                                figurinos e sistemas,

                                               esteticidades e lixos…)

 

elevados à categoria de  matriciais necessidades.

Tudo estará de passagem, tudo será idêntico em toda a gente, tudo serão   momentos a  terminar na curva seguinte, sem  conteúdo, sem peso,  sem fermento, num usar e deitar fora  despido da mínima consistência que multiplica dinheiros e  facturas...

 

                                               (Todos marcharemos de remédio

                                                em remédio,

                                               até ao remédio final...)         

 

vincando  quanto os seres humanos, mesmo na super-instrução e qualificação do século  XXI,  estranhamente dependem de engodos sem alicerce e se descuidam de os perceber.    

 Há inúmeras mentiras  nas vendas e  nas  encomendas.

Para além das lamentáveis afirmações com que frequentemente  galanteiam   superlativas benfeitorias  nas pessoas e nos grupos, particularmente utilizáveis nas relações familiares, nas relações sociais,  nas relações em geral, até nas  perspectivas de futuro...

 

                                               (Todos   inconscientemente desejam

                                                mães alegres e descontraidas,

                                                 a cantarolar regozijos

                                               no embalo das seduções…)

 

semeiam dados absurdos sem qualquer crítica ou julgamento.

Exclusividades narcísicas, opacidades asininas, explorações disfarçadas, constituem o    poço sem fundo desses enganos   auto-reproduzidos, ninguém tendo força  sozinho para remar contra a maré

embora seja sempre   possível fazer alguma coisinha e  à sua maneira todos possam contribuir…

 

                                               (Na circunstância de cada um… )

                                                

 para  derrubar inúmeras imposturas que nos entorpecem.

JAIME MILHEIRO
______________________
Breve nota biográfica
O Dr. Jaime Milheiro disponibilizou-se a colaborar com o Baião Canal | Jornal, para o qual contribui com artigos quinzenais.
O Dr. Jaime Milheiro é um psiquiatra e psicanalista português, Licenciado pela Faculdade de Medicina do Porto, tendo feito a sua preparação no Porto, Lisboa e Paris.
Numa carreira de 50 anos, bateu-se ininterruptamente pela humanização do doente e pela valorização dos factores psicossociais na Saúde Mental das pessoas e das comunidades. Disso fez o grande desígnio da sua vida profissional.
Fundou o Centro de Saúde Mental de Vila Nova de Gaia num registo de Psiquiatria Comunitária.
Fundou o Instituto de Psicanálise do Porto.
Entre outros cargos, foi presidente da Associação Portuguesa de Saúde Mental; É membro titular e didacta da Sociedade Portuguesa de Psicanálise e da Associação Psicanalítica Internacional; Pertence desde 1983 à Comissão de Ensino da Psicanálise em Portugal. Docente dos Institutos de Psicanálise de Lisboa e do Porto.
Escreveu dezenas de artigos científicos e centenas de artigos de opinião em revistas, livros colectivos e jornais. Publicou diversos livros, numa progressiva reflexão sobre o funcionamento dos seres humanos. Aos temas da saúde e doença, sofrimento e psicossomática, sexualidade e comportamento, tem acrescentado, nos últimos anos, ensaios e conceptualizações sobre o que chama de misteriosidade, religiosidade e religião.

 

DUAS DE LETRA | Lourdes Dos Anjos| Ontem, hoje e amanhã

Lourdes dos Anjos

Com quinze anos eu era uma menina feliz, responsável e respeitada.Era a menina mais nova do senhor ARMINDO e da ADELAIDINHA.Vivia na casa onde nasci , na cidade do Porto e acreditava que o mundo era a minha rua ou apenas mais uma avenida ou um jardim.Preparava a minha entrada para a escola do magistério do Porto e ansiava que o sábado chegasse para , no fim das aulas, correr pela rua de Pinto Bessa até á estação de Campanhã, para apanhar a automotora das 16h que me levava até Estarreja .
Depois nem olhava para trás com medo que a minha mãe se arrependesse da autorização dada e o comboio partisse sem mim. Ao avistar os enormes tanques do "Amoníaco", pegava no saco, apertava-o contra o peito para que o coração não saltasse com o comboio em andamento e colava o nariz no vidro até poder abrir a porta mágica da carruagem.
Da estação de Estarreja até Salreu era uma caminhada em passo largo para aproveitar o tempo de liberdade que a minha avó me dava.Uma liberdade condicional mas tão saborosa que começava logo no tirar os sapatos e ser cachopa da terra. Beber um púcaro de leite diretamente das tetas da vaca com direito a bigode branco e uma sonora gargalhada da minha madrinha.Comer sopas de vinho muito docinhas, dormir com a minha avó e correr pelo "aido" como um potro selvagem que quer agarrar o vento.
Depois, tudo terminava quando , no domingo, ouvia o carro do meu pai parar em frente da porta e eu voltava ser a menina com pulseira eletrónica que se devia de comportar como uma estudante e ter por isso muito mais responsabilidade em todos seus atos.E lá encontrava sempre os olhos cheios de azul, de cumplicidade, de silêncio, de ternura, da minha avó nos momentos mais difíceis. Quinze anos de alegria e de esperança num futuro menos escravo que os meus pais me ajudaram a construir .
No tempo dos medos e das palavras por dizer, tudo era, à minha volta, um jardim que havia de florir em cada dia do ano.
Com trinta anos, era uma mulher feliz, com um filho de olhos cheios de luz e uma Pátria renascida para a liberdade.Trabalhava numa zona muito difícil da cidade do Porto e acreditava que o futuro estava nos homens e nas mulheres que eu preparava para viverem sem algemas , com obrigações e direitos escritos nos muros da cidade e assinados com todas as letras de Verdade e Paz.
Já não era a menina vestida de sonho mas a mãe que trazia consigo a palavra que valia como uma escritura feita no tabelião e os braços prontos para pegar nas armas que tinha e lutar por um país onde as cédulas pessoais das crianças não tivessem aquela frase que magoava a ouvir e a ler: PAI INCÓGNITO.
Lutei por um país que não tivesse que ver partir os seus jovens para uma guerra por explicar e depois receber alguns deles numa caixa de pinho.Lutei contra a droga, a violência , qualquer que fosse, contra o trabalho infantil, contra o poder que instalado na capital, fazia do Norte um gueto de escravos , saloios e analfabetos. LUTEI, LUTEI, LUTEI ..
Aos quarenta e cinco anos era avó. Segurei nos braços aquele pedaço de mim e jurei que, um dia, ele teria tantas saudades minhas como eu ainda tinha da minha avó de olhos azuis e alma branquinha. Sei que consegui quase todas as metas que me propus atingir, até essa...de ser uma avó de cumplicidades e saudades.
Hoje, depois de ultrapassar os setenta, com muito caruncho e muita vontade de viver e morrer lúcida, continuo , como aos 15 anos, a ser responsável, como aos 30 a ser feliz e aos 45 a abrir os braços para os outros netos que entretanto foram chegando.
Mas, porque despedaçaram o meu país, roubaram o futuro dos jovens, rasgaram o lençol remendado dos velhos, destruíram as palavras que com tanto sacrifício escrevemos nos caminhos de Portugal, hoje, começo a temer que as creches dos meninos e os lares que acolhem e mimam as velhas raízes das nossa vidas, não possam continuar de pé.Temo que o meu filho não tenha direito a uma reforma no fim da sua vida de trabalho, temo que os novos continuem a partir e os velhos fiquem sós e sem lenços para acenar na hora da partida.
Temo que a guerra financeira que vivemos nos sufoque sem dó nem piedade e nem sequer nos permita um último suspiro.
Resta-me a alegria de ainda ter forças para agradecer aos que , respeitam os nossos velhos, dando-lhes colo e sarando as feridas que as chicotadas sucessivas da vida lhes fizeram.
Não quero ser um fardo nas costas de quem amo, tenho direito a escolher o meu último espaço para viver com dignidade.
Confiei o dinheiro que me foram exigindo ao longo da minha carreira profissional, nas mãos do estado, cumpri com todos os meus deveres, tenho por isso, direitos
Rejeito esmolas.
Exijo que cumpram o contrato que comigo fizeram no ano de 1968.
Temo o futuro, o meu, o vosso,, dos jovens que hoje contam 15 anos e que falam apenas das banalidades com que fazem o seu modus vivendi, dos que contam 30 e ainda não sabem com quantas tábuas se constrói uma canoa, dos que tem 45 e estão na vida sem conseguir viver e de todos os outros que nasceram livres e hoje estão algemados ao poder financeiro que sufoca os povos, e comanda os dias amargos dos portugueses.
Temo que este nobre povo tenha que voltar a pedir esmola para dar a sopa aos mais frágeis.
ONTEM- A minha geração ainda viveu, sonhou, provou o sabor de alguma felicidade.
Os outros, onde irão cair? Talvez se fiquem pela escadaria de S.Bento ou na porta de qualquer igreja com uma lata na mão, que lhes sirva de malga .
HOJE - É TEMPO DOS ZÉS, DOS SILVAS , DOS LIMAS, DOS TONES E COMANDITA ABRIREM O MANTO E OFERECEREM OS ESPINHOS DAS ROSAS QUE PROMETERAM AOS NOVOS MENDIGOS QUE FABRICARAM .
AMANHÃ- TALVEZ AS NOVAS GERAÇÕES TENHAM DE REPETIR O GESTO DAS VELHAS GENTES QUE REPARTIAM CADA SARDINHA POR TRÊS NACOS DE BROA , PARA "CALAR" TRÊS BOCAS...

Lourdes dos Anjos

É professora aposentada, do Porto, vive no Porto, escreve sobre o Porto e ama o Porto como poucos! Quando declama poesia, faz "chorar as pedras".  Aceitou colaborar com o Baião Canal | Jornal , à moda do Porto, pois claro! 

Da sua obra destacamos o livro com o título "Nobre Povo".

Nobre Povo

Os olhares e o sentir destes dois portuenses, Maria de Lourdes dos Anjos a autora e o fotógrafo António Amen, deram origem a este precioso trabalho documental da história da Cidade do Porto. Testemunho de uma época , Nobre Povo traça o percurso singular, tão surpreendente como inspirador , de ambientes vividos no Porto , ao longo de várias gerações e que marcaram de modo indelével o sentir do Porto de Outros Tempos, a nobreza de personagens como a Drª Adelaide Estrada ilustre discípula de Abel Salazar e cúmplice de ideais de Humberto Delgado, Eugénio de Andrade, o génio do Porto, o Dr. Albino Aroso porque poucas mulheres sabem o muito que fez por elas antes de terem nascido, a polícia judiciária e finalmente o Nobre Povo nos retratos de Emilinha dos jornais e da Miquinhas Esgazeada.

EDUCAÇÃO | Para onde nos leva esta pandemia? | Maria Odete Souto

Odete Souto

No momento em que me sento ao computador para escrever esta crónica, assalta-me uma série de inquietações que se entrelaçam, sem que as consiga deslindar umas das outras. São as crianças. Sempre as crianças e as pessoas que as habitam e que entram pelas escolas dentro com as mochilas carregadas e reduzidas à condição de alunos/as. E que agora não entram.

Revisito Daniel Pennac e o seu livro “Mágoas da Escola” quando refere «os nossos “maus alunos” (alunos considerados sem futuro) nunca vão sozinhos para a escola. O que entra na sala de aula é uma cebola: algumas camadas de tristeza, de medo, de inquietação, de rancor, de raiva, de desejos insatisfeitos, de renúncias furiosas, acumuladas sobre um fundo de passado humilhante, de presente ameaçador, de futuro condenado. Reparem, vejam-nos chegar, o corpo em transformação e a família dentro da mochila”. E pergunto-me quando é que os nossos alunos e as nossas alunas voltam a entrar na escola. Estar presentes, partilhar vidas, correr e descarregar parte das suas mochilas.

Com John Dewey  entendo que “a educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é preparação para a vida, é a própria vida”. E a vida não é coisa que se possa suspender assim.

Este confinamento prolongado vai criando danos incomensuráveis e só o tempo nos permitirá medir a sua dimensão. Não podemos esquecer que estamos há quase um ano no meio desta pandemia, com longos períodos de confinamento e de ausência da escola presencial e, consequantemente, a muita distância das nossas crianças e dos nossos jovens. E não podemos perder de vista que o tempo da criança e da infância não é o tempo do adulto. Um mês na vida de uma criança é uma eternidade.

E neste entrelaçado de ideias que me vão inquietando, não posso deixar de referir aquilo que foi largamente noticiado sobre as cinco crianças de Bragança que estariam abandonadas por uma mãe que, supostamente, se teria ausentado para Lisboa. E volto a pensar na necessidade de reabertura das escolas, na responsabilidade social de todos e de cada um/a na proteção das crianças e dos jovens.

Está tipificado na lei que uma criança está em perigo quando: está abandonada ou vive entregue a si própria; sofre maus tratos físicos ou psíquicos ou é vítima de violência sexual; não recebe os cuidados ou afeição adequados à sua idade e situação pessoal; está obrigada a atividades ou trabalhos excessivos ou inadequados à sua idade, dignidade ou situação pessoal ou prejudiciais à sua formação e desenvolvimento; está sujeita, de forma direta ou indireta, a comportamentos que afetam gravemente a sua segurança ou o seu equilíbrio emocional; assume comportamentos ou se entrega atividades ou consumos que afetem gravemente a sua saúde, segurança, formação, educação ou desenvolvimento.

E na avaliação do perigo devem ser ponderados os fatores de proteção e os fatores de risco.

Os fatores de proteção  relativamente à criança são consubstanciados na sua capacidade de resolução de situações problemáticas, no desenvolvimento global  adequado à idade; na inserção em grupos de pares e na sua saúde. Relativamente à família, o equilíbrio económico, a organização do espaço físico, a capacidade para decidir e intervir e o sentido de responsabilidade. No contexto social e cultural, são factores de proteção a cultura de partilha, as relações sociais e comunitárias positivas, o emprego e a prosperidade económica.

Os fatores de risco da criança são: a baixa auto-estima, o historial de maus-tratos; o desenvolvimento global desadequado à idade, as separações de figuras de referência e as perturbações emocionais. Relativamente à família, as famílias numerosas, a relação disfuncional entre os pais, as sucessivas mudanças de residência, os problemas socio-económicos e/ou habitacionais, o isolamento social  e a pertença a minorias. Quanto ao contexto social e cultural são fatores de perigo o desemprego, a depressão económica, o isolamento e  a exclusão social. E este confnamento pesa negativamente a todos os níveis.

E sabemos que as esolas são os lugares onde as crianças passam mais tempo. E sabemos que quanto mais tenra a idade da criança maior a proximidade com os/as professores/as e educadores/as que são, em muitos e muitos casos, excelentes figuras de referência e que não estão lá, porque o estar lá implica espaço, tempo, privacidade e partilha. E isto não se faz entrando pela casa dentro dos/as alunos/as. E por muito esforço que os/as docentes façam, estão coartados na sua ação. E os/as funcionários/as, auxiliares da e na ação educativa, que têm um papel importantíssimo na vida das crianças e dos jovens. E tantas e tantas crianças que estão entregues a si próprias e privadas de vida. E quem consegue avaliar os perigos nestas circunstâncias?

Por último, e reportando-me à notícia das cinco crianças de Bragança e daquela mãe que já foi julgada em praça pública e que, no mínimo, também estará a contas com a justiça, há questões que se me colocam e que deixo para reflexão. Será que aquelas cinco crianças nasceram por geração espontânea e, portanto, não tinham pai(s)? Nem havia família alargada? Onde estava a comunidade e todas a instituições que a compõe? Nunca teria havido sinal nenhum?

Factos destes deveriam envergonhar-nos a todos/as enquanto sociedade. Calar aquilo que se vê, ouve e sabe pode configurar um crime de omissão.

É claro que todos lavamos a consciência ao  insurgirmo-nos contra aquela mãe porque essa está identificada. Pariu-os. Da responsabilidade de terceiros, e serão muitos, ninguém fala.

Aproxima-se a dia internacional da mulher que, normalmente, se comemora com grandes festarolas de e para mulheres e saem todos contentes e felizes porque assim se entende que se garante os direitos das mulheres. Tenho para mim que falar de dias da mulher, da criança, do deficiente… é, ainda assim, discriminar. Deveremos falar de direitos humanos, defender a igualdade de direitos e isto tem que ser feito todos os dias em cada ato da nossa vida para não nos deixarmos levar por coisas menores.

Estamos muito longe de termos consciência da nossa responsabilidade social e da assunção da igualdade de direitos, sendo que a cada direito corresponde sempre um dever. Estamos muito longe de defender as nossas crianças e de trabalharmos, a sério, para uma sociedade mais justa.

A linguagem é a expressão do pensamento e produz realidades. E a realidade é ainda profundamente discriminatória e, se calhar, estamos num momento de retrocesso. Por isso, deixo aqui um desafio. Experimentem colocar no feminino expressões como estas e percebam-lhe os sentidos:“ ele é um homem público” ;“ ele é um cortezão” ,“ele é o dono da casa”; “ aquele puto”...

Estranho, não é? A mesma palavra e os sentidos diferentes... E a escola tem um papel fundamental, também aqui.

Que se repense tudo isto, que se estabeleça um plano urgente de reabertura das escolas, com o máximo de segurança, para que estas e outras questões sociais, muito mais graves nos mais vulneráveis, não se continuem a acentuar e não continuemos a fazer vítimas inocentes, que não contam para os números da pandemia. Mas contam.

 

Maria Odete Souto

 

 

 

 

SOCIEDADE E CULTURA | O Amigo: um ser que a vida não explica. | Natércia Teixeira

natercia teixeira.jpg

Amizade é por definição, uma relação afetiva, a princípio sem características romântico-sexuais entre duas pessoas.
Em sentido lato é um relacionamento humano baseado no conhecimento mútuo, afeição e cooperação, suportado na lealdade e altruísmo.
Surge fruto do instinto de sobrevivência.
Explanado o conceito e como nada que envolve sentimentos é linear são múltiplos os exemplos de afetos que surgem entre seres aparentemente antagónicos, cujo denominador comum será talvez e apenas a plasticidade mental e emocional.
Quanto às motivações e pressupostos que a suportam, nem as primeiras são objetivas nem os segundos estanques.
Exemplos que me lembro… “Amigos para Sempre” a narrativa de uma amizade improvável entre um homem tetraplégico rico e um ex-presidiário, que o dito Senhor escolhe para seu cuidador, apesar da total inexperiência do rapaz.
Ou a história de Madame Rosa, uma prostituta aposentada, sobrevivente de Auschwitz e um rapaz árabe de 14 anos, órfão, que a Senhora a contragosto acolhe e que acaba por se tornar
seu amigo e seu amparo no fim da vida.
Relatos enternecedores de amizades improváveis…ou apenas imponderáveis.
Explicações para o sucesso desses encontros, havê-los-á com certeza: científicos, sociológicos e psicológicos… abstratos também.
Fico-me pelo que me parece… e parece-me evidente que existe uma simbiose perfeita de fatores que conspiram para o êxito de algumas amizades… como também os há,
determinantes, para o fracasso de outras.
Idealmente uma amizade perduraria no tempo e sobreviveria à distância e às contrariedades, infelizmente não somos nem vivemos num mundo perfeito e cristalizado, a dinâmica da vida
impõe-nos mudanças para a nossa própria evolução, aceitar a impermanência das coisas parece-me ser um excelente argumento para viver o que se nos apresenta sem conflitos.
Não percebo a necessidade de grandes questionamentos ou motivos para duas pessoas nutrirem uma simpatia mútua, apreciarem a companhia uma da outra, mesmo que esporádica
e sentirem-se agradadas pelo conforto que a simples existência do outro proporciona.
Intrigam-me os que entendem a amizade como algo estático ou meramente utilitário e o “amigo” como uma coisa suscetível de ser moldada a necessidades ou caprichos motivados por uma mais ou menos obvia necessidade de afirmação de poder.
Aborrecem-me os que vivem de melindres… ora por se acharem desconsiderados, ora por se julgarem preteridos, no entanto incapazes de descer do pedestal onde se instalaram e
perceber o real significado de reciprocidade.
Dito isto meus amigos, numa amizade ou há competência para se despir a alma, expor fragilidades e aceitar diferenças ou só se conseguirá, eventualmente, um conhecido,
certamente solidário na dor…não tão certo generoso nas vitórias.

Seja qual for o entendimento que se tenha; destino para os esotéricos, sorte para os crentes, conexão de almas para os espiritualistas, feromonas para a ciência… Vinícius de Moraes
parece-me ter a definição perfeita:
O Amigo: um ser que a vida não explica.

SAÚDE | Rita Diogo | A literacia em saúde mental

Rita Diogo_1.jpg

A saúde mental pode ser definida como “um estado de bem-estar no qual o indivíduo desempenha as suas capacidades, pode lidar com o stress, trabalhar de forma produtiva e frutífera e é capaz de contribuir para a sua comunidade” (World Health Organization, 2001). Neste sentido, a saúde mental é o pilar para o bem-estar e funcionamento dos indivíduos e da comunidade, exercendo um papel importante nas relações interpessoais, na vida familiar, na integração social e até na participação económica. Apesar da elevada prevalência das perturbações mentais verifica-se ainda um reduzido conhecimento sobre questões de saúde mental, na população em geral, comparativamente às questões que englobam a saúde física.

O conceito de literacia em saúde mental pode ser definido como o conhecimento e crenças sobre problemas e perturbações mentais que favorecem o seu reconhecimento, gestão e prevenção. É um conceito que abrange os conhecimentos relativos aos fatores de risco das perturbações mentais, à capacidade de reconhecimento das mesmas, às intervenções de gestão em momentos de crise e o conhecimento sobre atitudes que promovam a procura de ajuda. Assim, a promoção da literacia em saúde mental constitui-se como uma estratégia fundamental de promoção da saúde mental, no âmbito da prevenção, intervenção precoce e tratamento, contribuindo para a diminuição da carga de incapacidade provocada pelos problemas de saúde mental e para a diminuição de atitudes estigmatizantes face às perturbações mentais. O reduzido nível de literacia em saúde mental, associado ao estigma e preconceito contribuem para o agudizar das perturbações mentais, na medida em que impedem o reconhecimento precoce das mesmas e influenciam o comportamento de procura de ajuda.

O estigma associado às perturbações mentais é considerado como um dos principais obstáculos à promoção da saúde mental, atuando a vários níveis (individual, familiar, laboral, escolar, nos meios de comunicação, nas comunidades e nas políticas sociais), sendo apontado como um dos fatores que explicam o atraso na procura dos serviços de saúde e sendo reconhecido como um preditor significativo da evolução e do impacto das perturbações mentais. Um dos desafios para a saúde mental prende-se com o combate ao estigma associado às perturbações mentais e tal pode ser conseguido através de uma adequada literacia em saúde mental.

Se pensarmos nos anos de existência da Psicologia como ciência, não percebemos muito bem porque ainda permanece o estigma relativamente a “ir a uma consulta de psicologia”. O que diferencia a dor física, que nos leva a um médico, da dor que emana dos nossos problemas internos? Porque razão vamos facilmente ao dentista quando nos dói um dente e adiamos a marcação de uma consulta de psicologia? Todos nós já passámos por situações destas: uma tristeza que parece não querer deixar-nos, uma sensação de frustração que nos imobiliza ou uma raiva tal que, irritantemente, nos leva a reagir contra as pessoas ou situações. Normalmente, passados uns minutos, umas horas, uns dias, já regressámos ao nosso “estado normal”. Mas e quando ficamos presos a estas emoções negativas e nada parece conseguir libertar-nos delas? Um dos grandes problemas reside no adiamento que se faz da procura de ajuda. As redes de apoio familiar e social ajudam imenso mas, na verdade, há uma enorme diferença entre uma conversa com um bom amigo, por melhor conselheiro que ele seja, e a ajuda especializada de alguém que conhece e domina várias teorias sobre o comportamento e pensamento humanos e que consegue realizar uma intervenção adequada ao problema apresentado. Muitas vezes, não conseguimos especificar o que nos deixa tensos, irritados, tristes, sem vontade de fazer nada... é também nestas situações que se torna importante pedir ajuda especializada, recorrer a alguém capaz de explicar a origem de alguns problemas através dos sintomas apresentados.

Costumo dizer a quem me procura que a marcação da consulta é, por si só, a resolução de grande parte das questões que trazem alguém até mim. De facto, reconhecer que se não se está bem, que se passa algo que perturba o quotidiano, as rotinas e as tarefas diárias ou que se pretende entender-se melhor é o primeiro grande passo para ser ajudado.

É fundamental ajudar as pessoas a perceber qual o limiar entre uma simples tristeza, nervosismo, ideia fixa e qualquer outra coisa que seja uma depressão, uma ansiedade incapacitante ou fobia, uma obsessão... e como se faz esta distinção? Os sintomas que se sentem interferem nas tarefas diárias? Há alturas em que as pessoas já não se reconhecem, não reconhecem as suas reações, pensamentos e comportamentos, nem tão pouco conseguem explicá-los. Esse é o momento de ir ao psicólogo/a. Mas também posso ir a uma consulta de psicologia para me conhecer melhor, para conseguir reconhecer os meus pontos fortes e pontos fracos, para direcionar o meu esforço para os objetivos certos. A promoção do autoconhecimento e do desenvolvimento pessoal é também um bom motivo para marcar uma consulta de psicologia.

Rita Diogo, Psicóloga  

 

 

 

PROVA DE VIDA | Arnaldo Trindade | Está-se bem em Baião

Arnaldo Trindade.jpg

Está-se bem em Baião

não há quem diga que não

seu grande rio cinzento

lento, porque há dias assim

porém, quando d´azul ou verde se pinta

ri-se para mim, correndo entre montanhas

tamanhas são algumas,mandam os que lá estão

sangue d´antanho corre nas minhas veias

aquecendo meu coração, um bom vinho Avesso

Estranho seria, se afeição não sentisse por Baião

o segredo mais bem guardado em PortugaL

afinal tudo o que disse, faz que se esteja bem em Baião

 

Arnaldo Trindade 

 

Nota de imprensa | PCP Baião

monumento6 (1).jpg

No âmbito das comemorações do centenário do Partido Comunista Português, a Comissão Concelhia do PCP de Baião convida todos os camaradas e amigos a participar numa iniciativa dia 6 de Março de 2020 pelas 15 horas junto ao monumento de Soeiro Pereira Gomes na freguesia de Gestaçô 

A comissão concelhia do PCP/Baião

NOTA DE IMPRENSA | Remoção da cobertura com fibrocimento (amianto)...

Câmara Municipal de Baião retira amianto do Jardim de Infância do Barroncal

IMG_8824.JPG

"A Câmara Municipal de Baião iniciou hoje, dia 3 de março, a obra de remoção da cobertura com fibrocimento (amianto) no edifício do Jardim de Infância do Barroncal, na freguesia de Valadares.

Outro edifício escolar que vai ser intervencionado brevemente, com a remoção do amianto, é o Jardim de Infância de Lordelo, na União de Freguesias de Ancede e Ribadouro.

Os dois investimentos totalizam 46 mil euros.

Estas empreitadas são cofinanciadas pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), depois da Câmara Municipal ter visto a respetiva candidatura  aprovada através da Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (CIM-TS).

Além da remoção do amianto, os dois edifícios vão ser  alvo de diversos arranjos gerais, permitindo assim aos 19 meninos e meninas que frequentam estes espaços, melhores condições de aprendizagem."

MÚSICA | | Manuel Cardoso (Paradela) | Nacionalismo Musical e Escolas Nacionais

Paradela

Foram estas, outras das manifestações típicas da música do Sec. XIX.

O que havia sido a Revolução Francesa de 1789 para o movimento romântico em geral, seriam depois as pequenas Revoluções de 1830 e de 1848, (designação dada ao registo histórico europeu no início da década de 1830 aos movimentos que abalaram o continente europeu.) Movimento este que mais tarde teria repercussões em Portugal e Espanha, e que teve como consequência a propagação do liberalismo e o nacionalismo.

 Em sentido rigoroso, seria um sentimento de valorização, marcado pela liberdade e pela aproximação e identificação com uma nação. Por consequência destas mesmas pequenas revoluções disseminadas por toda a parte, o campo musical sofre a sua influência e é levado desempenhar papel similar em relação aos nacionalismos musicais. O movimento romântico tem um carácter vinculadamente germânico tendo o seu epicentro na Alemanha, esta daria aos restantes países a consciência e a coerência musical nacionalista, favorecida em alguns países por uma marcante identidade rácica ou por uma tradicional resistência a influencias estranhas, como no caso da Rússia da Hungria da Boémia e da Espanha. Ou ainda pelo seu isolamento geográfico caso da Inglaterra e Portugal.

A primeira manifestação nacionalista seria o romantismo literário, a segunda seria o romantismo musical. Este último identificando-se com as mesmas fontes tradicionais, e inspirando-se no mesmo filão que aquele, voltava-se para as tradições musicais populares. Tradições  estas mais fiéis do que as linguísticas porque menos sujeitas a transformações.

Temas lendários ou medievais, motivos musicais extraídas das canções e danças populares, iriam impregnar tanto o género musical vocal (Ópera; Lied; Balada) como o instrumental ( Poema sinfónico; Sinfonia; Concerto; Quarteto; pequenas peças características) conferindo-lhes um sabor especial.

 Todo este património ia sendo descoberto, colecionado e classificado, estando na origem das diversas escolas nacionais.

Manuel Cardoso (Paradela)

OS PEQUENOS TAMBÉM SÃO GRANDES | Depois do adeus | Aníbal Styliano

styliano.png

Assim começou uma revolução.

A violência associada ao desporto, com situações de conflito graves e com consequências trágicas, tem origem fora do desporto e nas grandes concentrações de pessoas, o seu universo preferido. Os ódios clubísticos são levados a extremos que contradizem os fundamentos do próprio movimento associativo. Ao longo dos anos, as modalidades foram-se organizando em Federações e Associações Distritais/Regionais e, com o natural desenvolvimento, há instituições que cresceram bastante e tornaram-sedestinos e lugares a conquistar. As constantes polémicas e lutas pelo controlo dessas instituições têm pouco de desportivo e muito de aparelhos e estratégias de poder, inclusivamente a nível internacional, deixando memórias de corporativismo e de controlo pela legislação. Em vez de cooperação, surgem indícios de oposição. Regulamentos desadequados, falhas de enquadramento para situações excecionais, hábitos que devem ser corrigidos: passar a valorizar o cargo, evitando a supremacia de quem o ocupar. A agenda tem se adequar aos planos para futuro. Convém agir no momento, com celeridade e competência, para evitar situações complexas e desprestigiantes mesmo a nível internacional.

Assim como os governantes têm as suas remunerações sem ter em linha de conta o salário médio da população e outros benefícios presentes e futuros (por vezes exageros nas pastas e nos departamentos) também as instituições do topo desportivo deveriam ter a perspetivaexata das realidades, para evitar que os clubes sejam sobrecarregados e os membros e funcionários das entidades que os representam inflacionem despesas. Os clubes devem exigir moderação e justiça. Nos últimos tempos, o seu desaparecimento (alguns centenários) revela desequilíbrios que merecem reflexão profunda. Evitar criar uma elite que vive muito acima daqueles que deve representar. A mais-valia da exposição pública e a maior proximidade com os Órgãos de Soberania, só por si representa um capital de oportunidades valioso mas restrito. Qualquer dirigente de clube do Campeonato de Portugal ou dos Distritais, sente desconforto em relação à forma como são tratados em comparação com os primeiros classificados da Liga principal.Basta questionar os critérios utilizados na atribuição dos subsídios que permitam avanços e desenvolvimento futuro.

Outra questão importante, sempre negligenciada, é o facto dos jovens praticantes, chegados ao escalão sénior ficarem sem as opçõesque mais gostam.

Com tantos especialistas de formação e de organização, não seria possível modernizar os anteriores campeonatos de empresas, universidades ou investir para criar novos clubes ou novas secções nos clubes existentes? E com que apoio financeiro poderão contar?

Deixar sem alternativa preferidao universo de jovens que aos 18 anos abandonam a prática desportiva federada, atinge valor superior a 90%, o que é grave e sem merecer a atenção devida.

Governos sem políticas definidas, instituições públicas sem planos para evitar um enorme abandono de atividade desportiva, revelam muitas das nossas carências, porque nada é tratado com visão integrada nem planos de longa duração.

Conhecendo as suas vantagens em termos globais, o que significará essa falta de alternativas? Quem assume a responsabilidade?

Fica uma questão essencial: o desporto (como o futebol profissional e outras modalidades com atletas profissionais) está inserido no Ministério da Educação! Não será mais lógico e adequado, reorganizar estrutura governamental e criar o Ministério do Desporto, pela dimensão e interligação com muitos setores da vida nacional?

Basta atentar nas afirmações e decisões do Ministro da Educação ou do Secretário de Estado da Juventude e Desporto para não ter qualquer dúvida.

Por fim, procurem entender o simbolismo das festas de homenagem aos jogadores que abandonaram a prática e deixaram marcas inesquecíveis, particularmente nos clubes dos distritais, onde nascem as amizades eternas. Depois do Adeus, vem sempre o reconhecimento e a felicidade partilhada, em dia de festa em família.

 

Aníbal Styliano (Professor, comentador)

POLÍTICA | PCP Baião | Tempos de forte resistência

PCP

Muitos portugueses da minha geração sabem de cor estes versos: «A morte saiu à rua num dia assim/naquele lugar sem nome pr’a qualquer fim/Uma gota rubra sobre a calçada cai/ E um rio de sangue dum peito aberto sai».
Lembrei-me deles e da canção que ao terminar repete com angústia «o pintor morreu, o pintor morreu, o pintor morreu» referindo-se a um facto da resistência ao fascismo, eternizando a história de um assassinato ocorrido há quase 60 anos.
Em 19 de dezembro de 1961 o pintor José Dias Coelho militante comunista e funcionário do PCP a viver na clandestinidade, foi cercado por uma brigada de cinco agentes da PIDE na rua dos Lusíadas em Alcântara, Lisboa, por volta das oito horas da noite.
Na perseguição que se seguiu ao cerco, até à Rua da Creche, hoje Rua José Dias Coelho junto ao Largo do Calvário, os agentes da PIDE dispararam sobre ele dois tiros de pistola, um à queima-roupa no peito deitando-o por terra e o segundo disparado com o ferido já prostrado no chão.
Precipitadamente os agentes da polícia política do Estado Novo meteram o corpo no carro e só duas horas depois, quando José Dias Coelho agonizava, o entregaram no hospital da CUF, onde morreria pouco depois.
Tinha 38 anos, completados em 11 de Junho desse ano de 1961.
Com pouco mais de 20 anos, José Dias Coelho era estudante da Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa quando aderiu ao Partido Comunista Português e em virtude da sua actividade de funcionário político do Partido, passou à clandestinidade, no entanto e apesar do seu trabalho político, não deixou o trabalho artístico e criou diversas gravuras que foram utilizadas na imprensa clandestina.
Um mês antes de ser assassinado desenhara e talhara em linóleo um desenho sobre outro assassinato cometido pela repressão salazarista: a morte do operário Cândido Martins, abatido pouco tempo antes à frente de uma manifestação de trabalhadores em Almada.
Para legenda dessa gravura José Dias Coelho escreveu esta frase: «de todas as sementes deitadas à Terra é o sangue derramado pelos mártires que faz levantar as mais copiosas searas».
José Dias Coelho era ainda muito jovem quando aderiu à Frente Académica Antifascista e mais tarde, em 1946, ao MUD Juvenil, tendo participado em várias lutas estudantis em 1947 e aderido ao Partido Comunista Português em 1949.
Foi detido pela PIDE após participar na campanha presidencial de Norton de Matos e em 1952 foi expulso da Escola Superior de Belas Artes e impedido de ingressar em qualquer faculdade do País, sendo também demitido do lugar de professor do Ensino Técnico.
Em 1955 entra para a clandestinidade, enquanto exercia funções no Partido Comunista Português, com o objetivo de criar uma oficina de falsificação de documentos para dar cobertura às atividades dos militantes clandestinos e exercia esta atividade na altura do seu assassinato pela PIDE.
Hoje os tempos são outros e outra é também a geração actual, no entanto, a luta pela transformação do mundo continua, pois o fascismo levanta de novo a cabeça e pior ainda está presente em Parlamentos de países ditos democráticos, mas em que a permissividade ao seu ideário suplantou a própria democracia.
Estamos em 26 de Fevereiro de 2021 e o dia nacional de luta arrancou com um piquete dos trabalhadores da DHL às 10h, frente à sede da empresa, na Vialonga, que contou com a presença da secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha.
Estes trabalhadores não aceitam o que consideram ser «aumentos de miséria», colocando os salários poucos euros acima do salário mínimo nacional, ao contrário do aumento geral de 90 euros para todos que reivindicam.
Com esta paralisação, exigiram o fim da «pressão, repressão e perseguição» aos que laboram no armazém Plaza 1 de Azambuja, por terem exercido o seu direito e recusado a alteração dos seus descansos ao fim-de-semana.
Também durante a manhã, à entrada dos Hospitais da Universidade de Coimbra, os enfermeiros fizeram um protesto contra a «carência estrutural» destes profissionais e a precariedade que continua a ser uma realidade de muitos. Considerando «intolerável» que o Governo tenha, em plena pandemia, viabilizado a admissão de enfermeiros com contratos a termo certo, os enfermeiros criticam o facto da situação só ter sido revertida para aqueles que foram admitidos até dia 31 de Julho de 2020, excluindo mais de 1800 enfermeiros.
No Hospital de Sto. António, no Porto, os enfermeiros também se queixaram das «medidas de contratação precária», considerando que revelam uma «preocupação sub-reptícia de poupança».
Em dia de luta nacional, estes trabalhadores denunciam os 145 enfermeiros deste centro hospitalar que detêm contratos precários e que estarão na iminência de ficar desempregados, «mesmo fazendo tanta falta para colmatar carências estruturais do SNS».
No Algarve, os trabalhadores juntaram-se à luta em dezenas de acções para «inverter o rumo de desvalorização do trabalho» e «romper com o modelo de baixos salários». Na região mais afectada do ponto de vista económico e social em consequência da pandemia, os trabalhadores denunciam o modelo de desenvolvimento regional «afunilado num único sector de actividade, o Turismo».
Em Coimbra, os trabalhadores dos serviços hospitalares concentraram-se, de manhã, para denunciar as discriminações de que continuam a ser vítimas ao nível da falta de pessoal, condições de trabalho, e dos procedimentos e medidas de protecção e segurança e ausência de vacinação.
Mais tarde serão os trabalhadores dos refeitórios escolares a protestar junto à Câmara Municipal de Coimbra, para manifestar a difícil situação em que vivem, após o despedimento de que foram novamente alvo pela empresa ICA com o encerramento das escolas.
«Vamos ter uma grande jornada de luta, com muitos milhares de trabalhadores em protestos por todo o País, na rua ou nas empresas, mas garantindo sempre as regras de protecção da saúde, com máscaras e distanciamento», disse à agência Lusa a secretária-geral da CGTP-IN, Isabel Camarinha.

PCP Baião

 

POLÍTICA | JSD BAIÃO | INTERIORIZAR A RAZÃO OU ECOAR A PROMESSA?

Baião Canal  Política JSD.jpg

Já são longas as horas de discussão e a longinquidade das palavras escritas sobre promoção da interioridade, coesão territorial e igualdade de oportunidades para as regiões. No entanto, numa era em que o mutualismo europeu -em virtude das necessidades emergentes da pandemia que assolou o nosso planeta - sedimentou a sua posição enquanto pilar fundamental da construção europeia, num modelo de trabalho em rede e de cooperação recíproca, nasce uma nova vida para a esperança de um interior cada vez mais envelhecido, rural, desertificado, estagnado e associado a um secular definhamento e esquecimento, cujo dia-a-dia é mantido na tênue linha da sobrevivência.

Porquanto, as dificuldades das regiões em se debaterem de igual para igual tendem a agravar-sefaceos espinhosos efeitos do novo contexto internacional, contemplando-se assim que 30% da população portuguesa continua a sofrer diária e diretamente as consequências de uma naçãohipercentralizada,que a torna refém de um Estado obeso, labiríntico, volúvel e incapaz de potenciar uma distribuição de investimento público a nível geográfico e em função das concretas atividadeseconómicas, sociaise culturais de cada região.E, aqui chegados, encontramos o verdadeiro responsável pelo atropelo de direitos fundamentais como a saúde, a educação ou o emprego. Isto é, percebemos que é o próprio Estado o responsável, não por uma mera virtualidade, mas sim pela dura e fria realidade, onde milhares de jovens se veem limitados no acesso a um ensino de qualidade; onde o cidadão do interior é obrigado a deslocar-se durante horas para ter acesso a cuidados de saúde; e onde o pequeno empresário se vê sufocado por uma elevada carga fiscal e despido de infraestruturas que o auxiliem na hercúlea tentativa de salvar o seu negócio.

No entanto, aquando da disponibilização para consulta pública do Plano de Recuperação e Resiliência, enraíza-se a incógnita: será que contemplaremos, em primeira mão, a um ligeiro avanço nesta batalha quase secular entre dirigentes políticos, economistas, dezenas de autarcas, de empresários, de agentes da cultura e da sociedade civil, que, legitimamente, procuram inverter um ciclo vicioso de subdesenvolvimento que condena três quartos do território nacional. Vejamos que a inversão do paradigma social imposto pela crise sanitária forçou o recurso à razão, obrigando os nossos decisores políticos a interiorizar os factos que durante décadas foram colocados em cima das suas secretárias. Assim,aquela que eraapenas para alguns uma clarividência, tornou-se trivial, levando-nos a acreditar que será possível implementar umapolítica equilibrada de gestão territorial enquanto garante do nosso desenvolvimento sustentável.

Porém, não obstante, a sua imperiosa necessidade, bem como a crescente tendência de deslocalização de trabalhadores e de recurso aos mecanismos tecnológicos e digitais pelos agentes privados, na procura de minimizar custos e maximizar lucros, a desconfiança tende a não desvanecer, sob pena de cairmos uma vez mais na teia das abundantes promessas dos dirigentes políticos em vésperas eleitorais. Aliás, a título de exemplo, bastará uma ligeira leitura dos programas eleitorais do partido socialista - a nível local e nacional - para percebermos que muitas das infraestruturas hoje mencionadas no PRR, nunca passaram de meras bandeiras eleitorais, sem qualquer tentativa ou esforço evidente.

No entanto, nunca será demais reafirmar a relevânciade todos aqueles investimentos prioritários para o interior, que, para além de devidos, poderão afirmar o seu valor nocombate à sobrelotação das grandes malhas urbanas e consequentes problemas associados à habitação, mobilidade e qualidade de vida! Chegou o momento deo poder político compreender que poderá encontrar no interior, particularmente na deslocalização de empresas e de determinados setores estratégicos para as regiões de baixa densidade, o artificio necessário para construir um Portugal mais justo e equitativo. É esta a nova esperança do interior!

 

Rui Pedro Pinto

Presidente da JSD Baião

Vice-Presidente da JSD Distrital do Porto

NOTA DE IMPRENSA | CM DE BAIÃO | Programa “Património Cultural”

09 Sta Marinha.jpg

Câmara Municipal de Baião assegura financiamento europeu para obras na Igreja de Santa Marinha do Zêzere

A candidatura apresentada pela Câmara Municipal de Baião aos fundos comunitários para a conservação e restauro da Igreja Paroquial de Santa Marinha do Zêzere foi aprovada.

Os fundos europeus, no âmbito do programa Património Cultural vão financiar 85% do valor da empreitada, que será lançada a concurso público pela Câmara Municipal de Baião.

Estima-se um valor base de obra de 372 mil euros, sendo a autarquia baionense responsável por suportar 15% deste valor.

De lembrar que a Igreja de Santa Marinha do Zêzereé uma das classificadas no concelho de Baião como Monumento de Interesse Público. Existe também um protocolo formalizado com a Diocese do Porto que permite que as igrejas estejam com portas abertas à visitação. Estas obras visam, portanto, não apenas melhorar as condições de utilização da igreja por parte da comunidade, como também valorizar o património cultural e artístico ali existente e inserem-se na estratégia de atração de visitas ao nosso território, condição importante para a atribuição de apoios para a obra.

Igreja_Santa_Marinha_Zezere_6_visitbaiao_portugal.IGREJA S.M. ZEZERE

TRABALHOS PREVISTOS

A intervenção vai contemplar trabalhos de construção civil e de eletricidade, entre eles revisão da cobertura, rebocos interiores, substituição de portas e pinturas.

Uma das peças mais emblemáticas deste templo, o Órgão de Tubos, será também alvo de conservação e restauro, aí serão desenvolvidos trabalhos de restauro da máquina e dos instrumentos, bem como, substituição de madeiras da caixa.

Serão feitas correções na rede elétrica e beneficiada a iluminação do altar e da nave e coro.

Serão, ainda, restaurados os retábulos e vários elementos decorativos do interior da igreja.

MAIS INFORMAÇÃO SOBRE A IGREJA PAROQUIAL DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/6691073

 

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS | Lousada | Mata pai à facada

Lousada

Homem, de 65 anos, foi esfaqueado pelo filho, com cerca de 30 anos, durante a noite desta quarta-feira, em Lousada, acabando por falecer

Tudo indica que, o crime ocorreu dentro de casa da vítima. As autoridades policiais avançaram  que o homem terá sido esfaqueado, pelo menos, três vezes, sendo que uma delas foi no peito.

Apesar das manobras de reanimação feitas pelos bombeiros, o óbito do homem acabou por ser declarado no local. 

Após cometer o crime, o agressor ligou e entregou-se  às autoridades . A investigação está sob alçada da Polícia Judiciária.