Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 18 - Outubro 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 18 - Outubro 2021

"diálogo familiar" entre desenho e poesia | Arnaldo e Noly Trindade

Crítica da Risoleta Pinto Pedro ao livro "diálogo familiar" de Arnaldo e Noly Trindade

124633085_3566601036765604_7812279210322166381_o.j

UM LIVRO FEITO COM O CORAÇÃO NAS MÃOS

Sobre o livro: DIÁLOGO (FAMILIAR) ENTRE DESENHO E POESIA

 

Um pai, uma filha, um avô… ou um pai, um filho e uma neta… ou uma neta, um pai e um avô?

Não importa. Quando se abre o livro, somos surpreendidos pelo desaparecimento de Gutenberg, quero eu dizer, os velhos tipos que nos vêm contando histórias e dando notícias desde o aparecimento da tipografia, são aqui substituídos pela caligrafia, essa primeira escrita do tempo da inocência, de quando nos debruçávamos sobre o caderno de duas linhas com uma caneta a pingar tinta, a língua de fora num esforço concentrado de coordenação, reproduzindo os gestos dos copistas medievais. Quando a escola, antes de se transformar numa fábrica, ainda era um convento, para o melhor e para o pior.

A capa, com seu título e autoria escritos manualmente, já o indiciava, mas poderia ser estilo, efeito gráfico, originalidade editorial. Não é. Já lá vamos. Voltemos antes aos nomes apresentados como dos autores: Noly e Arnaldo Trindade. Este apelido diz-nos muito. Para além de ser encantador como pessoa, todos o conhecem como prestigiado editor das artes do som. É dizer pouco, mas diz mais do que se aqui nos limitássemos a desfilar a obra, o que deixamos ao critério de quem, não conhecendo, tiver curiosidade por mais. No livro, Arnaldo é o pai, e Noly a filha. Como na vida. Mas há outro Trindade, o avô Januário Augusto Trindade, a quem é dedicada a obra.

No interior, tudo, desde a ficha técnica até ao que arrisco nomear como posfácio, é caligrafado. E sem termos a pretensão de penetrar na motivação de quem fez esta opção, vale a pena debruçarmo-nos sobre o étimo da palavra “caligrafia” que vai ao grego (“kalligraphia”) buscar a raiz “kallos”, que traz o conceito de beleza da raiz indo-europeia “kal”, onde significa belo; “graphein”, tem a ver com o que é escrito ou gravado, palavra que passou a aplicar-se também ao registo de som. O que aqui se torna muito significativo. Com esta explicação, talvez me possa aventurar a acreditar que a belíssima pintura da capa já indicie o caminho escolhido e que a caligrafia prossiga estes passos. A opção pela estética é, aliás, a marca do trabalho fonográfico de Arnaldo Trindade, sempre marcado por enorme rigor num tributo à beleza, rigor sem o qual esta soçobra.

Numa espécie de ante-prefácio sem esse nome, Noly apresenta-nos a génese do livro. Entremos então nele com este primeiro texto. Ficamos a saber que presidiu ao nascimento deste livro um exercício de que um cabalista, ou Platão no seu “Fedro”, ou uma criança, não desdenhariam. Aqui mostra como olhou algumas palavas como se pela primeira vez, e como lhes reagrupou as letras. A propósito disto, anexo a esta crónica o endereço de um texto que escrevi em tempos sobre o nosso tão extraordinário quanto ignorado filósofo da linguagem, António Telmo e os processos de manipulação das palavras:

https://www.antonio-telmo-vida-e-obra.pt/news/voz-passiva-63/

O que Noly descreve no seu texto como explicação ou apresentação do que se segue no livro, é a operação a que começou por se entregar, decompondo palavras e criando polissemias. Mas existindo um sentimento prévio a esta decomposição que era o peso das palavras, foi pelo desenho que procurou expressá-lo. O que conseguiu. Temos então palavras, as mesmas decompostas, desenhadas e, cumprindo o prometido no título da capa “diálogo (familiar) entre desenho e poesia”, os poemas, onde entra o pai, artista dos sons e poeta, o que não deixa de ser algo muito parecido.

O prefácio, esse sim, assim nomeado, do editor Rui Vaz Pinto, e se me é permitido, um talvez posfácio de Jorge Cordeiro, são como lampiões que tal como o candeeiro presente em todos os desenhos, iluminam o que deve ser iluminado.

Na contracapa um ponto não final, mas de exclamação, sem a forma gráfica que lhe conhecemos, e sim com palavras:

“um apelo d'humanidade”. Assim termina este manuscrito impresso envolto numa capa como numa iluminura. Iluminado. Por tudo isso aqui especialmente recomendado.

risoletacpintopedro@gmail.com

JSD | Rita Silva

21994242_6Q7rJ.jpeg

As políticas públicas estimulam os jovens a terem um papel ativo na sociedade e fazem com que os mesmos tenham vontade de participar ativamente em atividades de aprendizagem, socialização e acabam por ter um envolvimento direto em algumas decisões tomar no contexto em que estão inseridos.
Todos sabemos que os jovens serão os adultos de futuro e ao não serem envolvidos nem proporcionados a tal jamais os conseguiremos prender à nossa terra, Baião. Concelho que tanto gostamos e que muitos dos nossos antepassados lutaram e investiram em toda uma evolução que estagnou no tempo, é agora que os jovens têm de estar e serem envolvidos, serem notificados, serem participativos e terem voz.
Mas claro que a sua intervenção depende das capacidades atribuídas e das possibilidades de
reconhecimento tanto social como governamental que lhes possam ser entregues. As
necessidades e vontades dos jovens têm de ser tidas em conta e deveriam ser valorizadas de
alguma forma. É neste aspetos que uma boa organização escolar, criação de associações para incentivo e envolvimento dos jovens e incentivar ao voluntariado, são ótimos exemplos de hipóteses de políticas que deveriam ser prioridade para que se possa implementar nas
camadas mais jovens o espírito participativo na sociedade. A boa organização escolar, na
minha opinião, será sem dúvida o aspeto mais importante, pois é na escola que adquirimos a
maior parte do nosso conhecimento, a nível escolar como vulgar.

RS.jpg

Estas políticas também deveriam garantir os apoios necessários e as possíveis oportunidades para a juventude puder viver de forma mais independente, pois após o ensino superior ou qualquer outro tipo de ensino transita-se para o mercado de trabalho e estas políticas acabam por ser essenciais nesta fase das nossas vidas.
Para nós jovens é sempre complicado tomar decisões a qualquer nível, então demoramos a perceber qual é o nosso lugar na sociedade, e ao ter este tipo de apoios e oportunidades o quadro acaba por mudar de figura, pois acabamos por ter meios para alcançarmos os objetivos pretendidos.
Então sim, se Baião tem de evoluir e tem a ambição de marcar a sua posição no mapa que
comecemos pela camada jovem, pelas pessoas que serão o futuro da nossa terra e para que
não tenham de trabalhar ou mesmo até morar longe dos seus, implantemos políticas em prol
da juventude, por e para Baião.
Rita Silva

Últimas |Entrega de armas nos Postos da GNR

185912874_4027720443992311_8420363587813343569_n.j

Entrega de armas nos Postos da GNR

Se tem armas de fogo não manifestadas ou registadas, regularize a situação em qualquer Posto da GNR.
Nos termos da Lei 5/2021, de 19 de fevereiro, decorre, até dia 23 de junho, o período de entrega voluntária de armas detidas fora das condições legais, sem consequência para os seus detentores.