Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 18 - Outubro 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 18 - Outubro 2021

POLÍTICA | PSD Baião: Roteiro de visitas aos Agrupamentos de Escolas de Baião

cc052528-f41a-412a-a210-07ba47566918.jfifEm nota de imprensa enviada ao Baião Canal, o PSD Baião refere que, no dia 5 de maio, Paulo Portela, candidato pela coligação “Com Determinação por Baião” à Câmara municipal de Baião, deslocou-se aos Agrupamentos de Escolas de Vale de Ovil e do Sudeste de Baião onde foi recebido pelos Diretores Carlos Alberto Carvalho e Manuela Miranda.

A visita teve como objetivos a apresentação da sua candidatura e ouvir dos responsáveis sugestões de melhoria para a educação em Baião.

Paulo Portela foi membro do Conselho Geral durante 9 anos, sendo considerado pelo Diretor do Agrupamentos de Escolas de Vale de Ovil “um dos melhores elementos que a escola teve”.

Os Diretores consideraram importante esta visita para que Paulo Portela possa tomar conhecimento da realidade e construir um programa baseado naquilo que é a realidade.

Paulo Portela reafirmou que a educação é uma das suas prioridades e quer ouvir para depois decidir, o que faz parte da sua forma de estar na política.

564f52df-fd78-4b2f-beb5-92ed44af6244.jfif

 

8541651a-9e88-4bc7-8061-7ecd20097556.jfif

 

 

 

d7ac7d2c-1f8a-4169-958a-b86e8ea01531.jfif

Por Ana Raquel Azevedo

Presidente do PSD Baião

COVID-19 | Mais 5 mortes e 373 novas infeções. Com tendência para aumentar!

Os dados do boletim desta quinta-feira.Cuide de si, dos seus e dos outros!

Entre os novos 373 casos, 181 foram registados na região Norte, 106 na de Lisboa e Vale do Tejo, 32 no Centro, 12 no Algarve e 10 no Alentejo. Há ainda mais 16 casos, tanto na Madeira como nos Açores.

Quanto às mortes, três foram registadas na região de Lisboa e Vale do Tejo e as outras duas na região Norte.

A incidência da Covid-19 em território nacional é agora de 61,3 casos por 100 mil habitantes, com um risco de transmissibilidade R(t) atual de 0,95.

De acordo com o boletim epidemiológico apresentado pela DGS, nas últimas 24 horas há registo de mais 538 recuperados. Estão internados 283 doentes, dos quais 77 em unidades de cuidados intensivos.

Portugal tem atualmente 22 535 casos ativos.

A Comissão Europeia prepara debate com vista à suspensão de patentes das vacinas para a covid-19. O presidente norte-americano, Joe Biden, já fez saber que apoia a suspensão das patentes. O Presidente francês também se mostrou favorável à abertura das patentes.

Relatório de Situação nº 430 | 06/05/2021

Abrir documento ( PDF - 394 Kb )

Relatório de Situação nº 430 | 06/05/2021

 
 

Baião: Minipreço foi assaltado durante a madrugada

Mini preço

Baião, 06/05/2021

Segundo apuramos junto de uma das colaboradoras, o assalto terá ocorrido entre as três e a cinco horas da madrugada. Os assaltantes partiram o vidro da porta, mas não provocaram outros estragos, não tendo, ainda, sido referido o que terão furtado. 

Devido à ocorrência, a loja esteve encerrada durante a manhã de hoje, tendo reaberto da parte da tarde.

A GNR tomou conta da ocorrência e a Polícia Judiciária já está a acompanhar o caso, sendo que, segundo apuramos, têm vindo a ocorrer outros assaltos em outras lojas, designadamente do setor alimentar. Alguns dos nossos leitores referiram que também terá sido assaltada a loja do minipreço do Marco de Canaveses. 
mini

 

Rede de Emergência Alimentar ajuda 79 mil pessoas, incluindo dentistas e empresários

vbd.png

Lisboa, 21 mar 2021 (Lusa) – Dentistas, empresários e treinadores estão entre as mais de 79 mil pessoas afetadas pela pandemia que encontraram na “Rede de Emergência Alimentar” ajuda para comer, mas também para pagar despesas, como a conta da luz ou renda da casa.

A informação foi avançada à Lusa pela presidente do Banco Alimentar Contra a Fome (BACF), Isabel Jonet, que lançou a iniciativa há exatamente um ano, durante o primeiro estado de emergência.

Quem agora recorre à rede de emergência tem, na maior parte das vezes, histórias bem diferentes das de quem há muito conta com o auxílio dos bancos alimentares.  

“São sobretudo pessoas que nunca recebiam ajuda, que tinham a sua vida organizada. Tinham até dois empregos e perderam um deles ou mesmo os dois”, disse a presidente do BACF. 

À Rede de Emergência Alimentar chegam relatos de quem pediu um empréstimo para iniciar um negócio próprio que não chegou a abrir por causa do confinamento ou de quem teve de fechar pouco depois da inauguração.  

Às histórias dos empresários, juntam-se os dramas dos seus empregados que também ficaram sem trabalho.  

“Estamos a falar, por exemplo, de pessoas ligadas ao setor da estética, da restauração, da cultura, dos ginásios, os ‘personal-trainers’, os higienistas e os dentistas”, deu como exemplo Isabel Jonet.   

A presidente do Banco Alimentar lembrou ainda todos os que trabalham em feiras: “Muitas pessoas que por vezes esquecemos, que fazem romarias no verão e que deitam fogo de artifício, os que vendem farturas ou cachorros. Estas pessoas estão desde março do ano passado sem poder trabalhar, sem ter rendimentos”.  

Em apenas um ano, os serviços dos centros de emprego registaram um aumento de mais 100 mil pessoas que tinham perdido os seus rendimentos.   

Os últimos números do Instituto de Emprego e Formação Profissional apontavam para mais de 400 mil desempregados em Portugal. Mas existem muitos casos que não chegam ao conhecimento dos serviços dos centros de emprego.

“Nós não podemos deixar que estas pessoas percam a esperança e desistam, porque isso seria dramático”, sublinhou Isabel Jonet.  

Por isso, quando a pandemia obrigou o país a abrandar, a presidente do Banco Alimentar sabia que “a ajuda não podia parar”, até porque os pedidos de auxílio “estavam a aumentar”.  

A 19 de março do ano passado lançou a Rede de Emergência Alimentar, uma plataforma online onde é possível pedir auxílio sem sair de casa.

“Os formulários online permitem resguardar o anonimato e dar uma resposta a quem, não estando habituado a lidar com a pobreza, tinha vergonha ou sentia algum desconforto em mostrar que estava a pedir ajuda”, acrescentou Isabel Jonet. 

Este novo projeto não se limita a dar apoio alimentar. Há um atendimento social que faz um retrato da família e permite perceber se, por exemplo, falta “um computador para a criança seguir as aulas online e não perder o ano”.    

A Rede de Emergência também ajuda a pagar a renda da casa, a conta da água ou da luz. A ideia é apoiar no momento certo para que possam “dar outra vez a volta à sua vida”. 

Mas também o Banco Alimentar se defrontou com problemas complicados quando começou o confinamento.

A descoberta dos primeiros casos de infetados em Portugal levou o país a fechar-se dentro de portas, num movimento nacional ao qual as instituições não escaparam.   

No Banco Alimentar Contra a Fome, os voluntários mais velhos foram aconselhados a ficar em casa por precaução e foram suspensas as duas campanhas anuais de angariação de alimentos, que punham nas ruas de todo o país mais de 42 mil voluntários.  

As instituições que trabalham com os bancos alimentares, desde associações de bairro a igrejas, também foram obrigadas a fechar as portas. 

Mas a ajuda nunca falhou, garantiu Isabel Jonet. 

Os alimentos continuaram a chegar ao armazém através de donativos de muitas empresas e da “generosidade de escuteiros, escolas e empresas” que lançaram as suas próprias campanhas. 

Os trabalhadores mais velhos dos bancos alimentares – “muitos com mais de 80 anos” - foram temporariamente substituídos por colaboradores mais jovens. Isabel Jonet recorda a ajuda dos estudantes que estavam fartos de estar fechados em casa e dos professores temporariamente sem trabalho, contou à Lusa. 

As pessoas, em nome individual, e o conjunto de organizações que estão no terreno a trabalhar para a Rede de Emergência Alimentar “foram a almofada de segurança deste país, evitando casos de rutura social”. 

SIM // JMR

Lusa/FIM 

Rota do Românico inaugura ciclo de exposições “Ver do Bago”

ver-do-bago-cartaz.jpg

A Rota do Românico é a protagonista e coautora de uma inesquecível viagem em três etapas em que o território é a ideia e a cultura o instrumento, propondo um ciclo de três exposições que celebra a relação material e simbólica entre a vinha e a paisagem cultural e humana dos vales do Sousa, Douro e Tâmega.

De 13 de maio deste ano a meados do próximo, viveremos uma trindade de eventos que nos levarão a “Ver do Bago”, como deve ser: devagar e com todos os cinco sentidos; numa viagem por um notável tríptico de lugares inesquecíveis, em Baião primeiro, em Penafiel a seguir e chegando, já em 2022, a Lousada.  

A primeira exposição deste ciclo, chamada “Ver do Bago nos Mosteiros”, será inaugurada no próximo dia 13, quinta-feira, às 15h30, e convida-nos, a partir do Mosteiro de Santo André de Ancede, em Baião, a celebrar um verdadeiro brinde entre Deus e os Homens em torno do diálogo entre escultura, pintura e arqueologia, propondo a todos um roteiro interpretativo que evidencia a importância que a cultura da vinha e o consumo do vinho tiveram em todos os momentos da vida destas gentes.

Através do mergulho em quatro espaços expositivos totalmente distintos (o Rio; o Mosteiro; a Adega; e o Lagar), descobriremos peças preciosas, como o tesouro nacional que é o tríptico de São Bartolomeu, só exposto há quase um século (Exposição do Mundo Português, anos 40 do século XX), e experimentaremos duas verdadeiras experiências imersivas.

Já se imaginou a literalmente entrar num copo de vinho? E há quanto tempo não pisa num lagar? E quando antes folheou, leu e coescreveu um livro digital interativo, que nesta exposição começa agora a ser construído e que só terminará com o fim do ciclo das três exposições, daqui a mais de um ano?

Agora que, finalmente, podemos estar juntos, queremos mesmo estar juntos. Connosco. Com Deus. Com o Homem. Com o Vinho. E com a Arte.

O projeto “Ver do Bago” é cofinanciado pelos Municípios que integram a Rota do Românico e pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, no âmbito da operação “O Vinho, a Arte e os Homens”.

Conta com o apoio da Diocese do Porto, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, da Direção Regional de Cultura do Norte, do Turismo do Porto e Norte de Portugal, entre outras entidades.

A Rota do Românico reúne, atualmente, 58 monumentos e dois centros de interpretação, distribuídos por 12 municípios dos vales do Sousa, Douro e Tâmega (Amarante, Baião, Castelo de Paiva, Celorico de Basto, Cinfães, Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Resende), no Norte de Portugal.

As principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.

  

CICLO DE EXPOSIÇÕES “VER DO BAGO”

 Ver do Bago nos Mosteiros

Mosteiro de Santo André de Ancede, Baião

13 de maio a 12 de setembro de 2021

Entrada gratuita | Quarta-feira a domingo: 09h-13h e 14h-17h. [A partir de 2 de junho: 10h30-13h30 e 14h30-18h]

 

Ver do Bago nos Santos

Igreja de Santo António dos Capuchos, Penafiel

setembro de 2021 a janeiro de 2022

 

Ver do Bago no Sangue

Centro de Interpretação do Românico, Lousada

fevereiro de 2022 a junho de 2022