Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL - Jornal

BAIÃO CANAL - Jornal

25 Abril | Exposição "Revolução: 50 anos 50 artistas"

340656389_634618168500710_5842588691380700271_n.jp

Integrada na 5ª Bienal de Arte Internacional Gaia 2023, foi inaugurada, no passado dia 8 de abril, a exposição "Revolução: 50 anos 50 artistas", antecipando as comemorações do 25 de abril de 1974, que tem a curadoria de Ilda Figueiredo, em representação do Conselho Português para a Paz e Cooperação.
Pode ser visitada na Quinta da Fiação, em Lever, Vila Nova de Gaia, de terça-feira a domingo, entre as 14h30 e as 19h, até dia 8 de Julho.

500 Milhas ACP: Clássicos espalharam charme na maior estrada da Europa

1º Cat.F_Pedro Manso Pires_Luís Caetano .JPG

A Estrada Nacional 2 recebeu, este sábado, a 18.ª edição das 500 Milhas ACP, uma das maiores provas de Regularidade histórica na Península Ibérica, que levou 65 equipas a percorrer a ligação entre Faro e Chaves. Prova do ACP Clássicos estendeu-se por 740 quilómetros e 16 horas, numa maratona de História e resistência. 

 

Todos os anos, as 500 Milhas ACP são um desafio para largas dezenas de equipas, aos comandos de automóveis produzidos entre as décadas de 50 e 70 do século passado. Na edição deste ano estiveram em prova 65 exemplares clássicos, numa maratona que atravessou Portugal continental de sul para norte, entre Faro e Chaves, num percurso pela Estrada Nacional 2 que totalizou 740 quilómetros. 

 

500 Milhas ACP(4).JPG

O apelo das 500 Milhas ACP voltou a atrair diferentes gerações, pois no pelotão abundaram os casos de pais e filhos, de avós e netos, unidos pelo gosto dos Clássicos e das provas de Regularidade. Exemplo disso, o caso de Ricardo Seara Cardoso, navegado pelo pai, Carlos Seara Cardoso, num belo Bond Equipe GT, exemplar construído em 1971 por um pequeno fabricante inglês. Além de vários modelos históricos da Porsche, Jaguar, Mercedes-Benz ou Alfa Romeo, as 500 Milhas ACP também tiveram três Alpine A110, um raro AC Aceca de 1960, um Fiat 600 Derivazione Abarth 750 (de 1959), ou um Austin Healey de 1954, o carro mais antigo em competição. 

 

500 Milhas ACP(2).JPG

As equipas concentraram-se em Faro, na tarde de sexta-feira, para as verificações, com o primeiro concorrente a arrancar da cidade algarvia na manhã seguinte, logo pelas 06h01. Seguiu-se a travessia do território continental português, num périplo que passou por Ferreira do Alentejo, Mora, Abrantes, Sertã, Tondela, Lamego e Santa Marta de Penaguião. Pelo meio, a caravana fez uma paragem em Constância, no distrito de Santarém, onde máquinas e pilotos puderam recuperar energias para a segunda metade da maratona. Durante a tarde, a caravana parou na cénica Barragem da Aguieira, que antecedeu a última secção, com os 218 quilómetros finais, rumo a Chaves. A chegada à histórica cidade transmontana aconteceu já de noite, depois das 22h00, culminando uma competição com 19 classificativas de Regularidade, com as equipas divididas em três categorias (consoante o ano de fabrico dos automóveis). 

 

Emoção até ao último quilómetro 

 

E apesar de ser uma prova com mais de 700 quilómetros, a discussão pelos primeiros lugares em cada categoria foi muito renhida, o que atesta a qualidade e a preparação das equipas.

 

Sancho Ramalho e António Caldeira venceram a Categoria G e foram também a formação que menos penalizou em todo o percurso, com um Alfa Romeo 2000 GTV. A escassos 3,5 pontos ficaram Ricardo e Carlos Seara Cardoso, no Bond Equipe GT, num duelo que gerou incerteza mesmo até à entrada em Chaves, até porque Miguel Ferraz de Menezes e Rui Rola Martins também ficaram a apenas 7,5 pontos do vencedor, num Alfa Romeo Junior Zagato. 

 

Na Categoria F, Pedro Manso Pires e Luís Caetano (Austin Mini Cooper S) receberam em Chaves o troféu do primeiro lugar, mas Carlos Brízido e António Costa (Porsche 911 E) ficaram a apenas 5,2 pontos, com Pedro Black e Suzana Freire D'Andrade (Volvo 122-S) a completarem os lugares do pódio. 

 

Já na Categoria E, reservada aos automóveis mais antigos, os Jaguar Mk2 monopolizaram as primeiras posições, com o triunfo de Pedro Carregosa e Ekta Sureschandre, na frente de Frederico Valsassina e Vasco Mendes, enquanto o Porsche 356 de Fernando Carpinteiro Albino e Xavier Albino ficou logo atrás.

 

Para Luís Cunha, secretário-geral do ACP Clássicos, a competitividade da prova e a resistência de máquinas e pilotos foram os grandes destaques desta 18.ª edição das 500 Milhas ACP: "Continuamos, felizmente, a ter uma parte significativa do nosso pelotão composto por automóveis dos anos 50 e 60, mas vemos também automóveis cada vez mais bem preparados e equipas com um grande nível desportivo. Foram registadas pouquíssimas falhas mecânicas, o que é de realçar num percurso de 740 quilómetros realizados num único dia. Atravessar a Estrada Nacional 2 é sempre um desafio especial, pela diversidade de paisagens e pelo apelo da condução”, afirmou Luís Cunha. 

Associação Salgueiro Maia

337295061_880523566347296_4419909596210989625_n.jp

D. Celeste Caeiro
Em Lisboa, o dia 25 de abril de 1974 parecia um dia normal, com muito trânsito e muita gente apressada, na rua, logo de manhã. A nota discordante era a excessiva presença de tropa, em atitude de se exercitar para a guerra urbana. Este inusitado panorama prendia a atenção dos transeuntes, que abrandavam o passo e paravam mesmo, para satisfazer a curiosidade.
Seria um exercício? Seria um treino para projetar uma força no estrangeiro? Seria um filme? – perguntavam-se entre si e até abordando os militares, completamente equipados e compenetrados no cumprimento da missão que os levara ali: o derrube do regime ditatorial.
– Ah! Afinal é uma revolução – comentavam incrédulos – A sério?! Eh, malta: é mesmo uma revolução! É uma revolução! Desta vez é que isto vai dar a volta.
E crescia o rumor, espalhando pela cidade o entusiasmo de que, finalmente, estava a acontecer aquilo por que tanto ansiavam há tantos anos e que a Primavera Marcelista parecia ter querido debelar, para, afinal, ter ficado só pelo “parecer”.
Na Rua Braancamp, junto ao Marquês de Pombal, a empregada de mesa do restaurante “Franjinhas” acabava de ser dispensada pelo seu patrão que, avisado sobre a revolução, resolveu muito sensatamente não abrir o estabelecimento, precisamente no dia em que comemorava um ano de abertura e tinha encomendado imensos cravos, vermelhos e brancos, para oferecer à clientela.
Celeste Caeiro saiu do restaurante com uma braçada de flores, sem saber muito bem o que lhes faria; mas o frémito da alegria popular não sugeria o regresso a casa, antes o participar no que quer que estava a acontecer. Tantos carros com tanta tropa! Tantos mirones vidrados nas fardas! Armas a sério, empunhadas por homens a sério. Movimento. Alegria. Entusiasmo. Partilha.
– Senhora! Por acaso tem um cigarro que me dê? – atirou-lhe um soldado, para fazer conversa.
– Não. Não fumo – e quase corou, pesarosa de não poder dar algo de si a quem se estava a dar em pleno, ao país, ao povo, sem nada pedir… ou talvez apenas um cigarro, para sedar a tensão do momento, da incerteza que envolvia a aventura de mudar o regime, de conquistar a liberdade.
De repente, por instinto, por gratidão, por amor, Celeste separou um cravo do molho e estendeu-o ao soldado. O quê? Em 1974? Uma mulher oferece uma flor a um homem, à frente de toda a gente? E o homem aceita? Como é que, com a Revolução ainda mal começada, estes dois já perceberam que vem aí a liberdade e a igualdade de género? A vida parece um romance, não é?
O soldado colocou o cravo no cano da sua espingarda, inutilizando o seu poder de tiro, mas, ao mesmo tempo, demonstrando a vontade de não a disparar; e o gesto foi repetido pelos outros soldados, até onde o molho de cravos da Celeste pôde chegar.
São gestos que ninguém planeia, mas que vivem cá dentro da gente e explodem de repente sem bem se saber porquê, como fogo de artifício que se espalha no ar e ilumina a noite. Também as floristas do Rossio, sabendo do caso, aderiram à loucura de distribuir cravos por soldados e populares sem cuidar do destino da sua fazenda, ou cuidando bem que estavam vivendo momentos de euforia irrepetíveis que bem as compensava da perda. É assim o povo em ação! Generoso, responsável, valente, altruísta,
Chovia gente de todo o lado, escorrendo de enxurrada pelas ruas estreitas do Carmo. Era impensável promover alguma ação militar com fogo real no meio da multidão; mas a multidão era a mais adequada arma para derrubar o regime. Nem mesmo a estupidez dos sicários da polícia política conseguiu manchar a alvura dos acontecimentos. O povo saiu à rua. Veio aprovar e agradecer a Revolução dos Cravos. Ninguém tinha dúvidas de que começara ali uma nova era. Respirava-se fraternidade, liberdade, civismo, amor. Que bom seria distribuir medalhas a este povo, como se distribuíram os cravos.
Mas se não é possível condecorar todo o povo, é sempre possível condecorar um símbolo desse povo e da sua entrega generosa à revolução, como argumento decisivo que a fez triunfar; e se há uma pessoa que pode simbolizar a multidão, na sua simplicidade, humildade, lhaneza é, por certo a D. Celeste Caeiro, que protagonizou o gesto que deu nome à revolução, que deu ao país aquilo que podia dar, como fizeram os heróis desse dia, uns que já receberam o justo galardão, outros que ainda esperam por um sinal do nosso reconhecimento. O tempo urge. Celeste nasceu em 1934.
De: Fernando Frederico
Associado ASM

Museu do Aljube Resistência e Liberdade

342838146_179785921643871_8238698109313856724_n.jp

23 de abril de 1936, foi publicado o Decreto-Lei n.º 26.539 que cria a “colónia penal para presos políticos e sociais no Tarrafal”, na ilha de Santiago em Cabo Verde.
Também conhecido como “Campo da morte lenta”, a sua localização tinha como objetivo afastar os mais “problemáticos” e perigosos resistentes, e com as duras condições do clima e das más condições de encarceramento, demonstrar que a repressão seria levada ao extremo (maus tratos, torturas, trabalhos forçados, alimentação escassa e falta de assistência médica).
Esmeraldo Pais, o médico de serviço do campo, afirmou mesmo que “não estou aqui para curar, mas para assinar certidões de óbito”.
O Campo de Concentração do Tarrafal começou a funcionar em 29 de outubro de 1936, recebendo os primeiros 152 presos políticos.
O campo foi encerrado em 1954, tendo por lá passado 340 presos, e destes, 34 ali morreram. Seria reaberto em 14 de abril de 1961, para receber presos políticos dos movimentos de libertação de Angola, Guiné-Bissau e Cabo-Verde.
Os presos apenas seriam libertados a 1 de maio de 1974.
Fotografia aérea de 1937 do Campo de Concentração do Tarrafal. Foto de Omar Camilo, Lusa.
 

Desporto distrital | A.F Porto | Resultados e classificação

342863676_188785147303016_6437662736671089377_n.jp

 

A AD de Baião vence e aumenta vantagem em relação ao segundo e terceiro classificados, respetivamente Rans e Paços de Gaiolo. Perante uma bela moldura humana o Baião feve sempre o jogo controlado, tendo aberto o marcador num belo pontapé de Rui na marcação de livre direto. Na segunda parte Jorge confirmou a vitória num excelente cabeceamento. Por sua vez a AD de Ancede deslocou-se e perdeu em Soalhães por 0-2.

Resultados:

Sem 22.png

 Classificação:

ff.png

 

OPERAÇÃO POLICIAL DE COMBATE AO TRÁFICO DE ESTUPEFACIENTES NO BAIRRO DA PASTELEIRA

342602509_897877411497580_5949797894842600334_n.jp

341879355_1778534549229893_4344217407641799537_n.j

15 DETIDOS EM OPERAÇÃO POLICIAL DE COMBATE AO TRÁFICO DE ESTUPEFACIENTES NO BAIRRO DA PASTELEIRA
Foi desencadeada uma operação policial, que visou um grupo alargado de indivíduos que de forma organizada se dedicavam ao tráfico de estupefacientes nos Bairros da Pasteleira Nova e Pasteleira Velha.
Detenções:
- 9 homens
- 6 mulheres
Apreensão:
- 62.000 doses de Heroína, Cocaína, Haxixe e Anfetaminas
- 13.250 euros
- 5 armas de fogo
- Munições
- Armas brancas
- 4 veículos ligeiros de passageiros
- 2 motociclos
PSP - DIVISÃO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL – COMETPOR
Colaboração UEP – DT – EIRS

Lousada – Detido por tráfico de estupefacientes

342835001_186508564200389_696928825691649223_n.jpg

O Comando Territorial do Porto, através do Posto Territorial de Lousada, hoje, dia 21 de abril, deteve um homem de 47 anos, por tráfico de estupefacientes, no concelho de Lousada.
No âmbito de uma ação de fiscalização rodoviária, os militares da Guarda procederam à fiscalização de uma viatura. No decorrer da ação policial e após o ocupante ter manifestado um comportamento suspeito, foi efetuada uma revista pessoal de segurança da qual resultou a apreensão do seguinte material:
• 19 doses de cocaína;
• Oito doses de heroína;
• Um telemóvel;
• 172 euros em numerário.
No seguimento das diligências o detido foi constituído arguido e os factos foram comunicados ao Tribunal Judicial de Lousada.
 
 
 
 
 

Histórias avulso : Mais nada... | Jaime Froufe Andrade

jaime_froufe_andrade.jpg
(A pandemia pôs-nos à espera do futuro. Parados pelo vírus, talvez seja tempo para percebermos o que deixámos para trás. É essa a proposta de Histórias avulso)
 
 

Mais nada...

O tempo tudo leva. Só as recordações ficam. Hoje, numa caminhada pela zona da Circunvalação, fronteira de terra e mar entre Porto e Matosinhos, recordei-me de um domingo que me deixou marcas. Andava pelos 17 anos e o Verão tinha acabado. Mas o mar chamava-me. Obediente, fui ao seu encontro. Manhã cedo, estava já preparado para o primeiro mergulho. 
 
Não fui o primeiro a chegar à praia. Um grupo de homens preparava-se para um jogo de futebol. O número de jogadores era pernão. Eu vinha mesmo a calhar para acertar a conta. Foi assim que dei início a uma esforçada carreira de jogador de futebol de praia. Acabara de ingressar, a custo zero, no glorioso Sport Enrola na Areia. 
 
Outros clubes também ali jogavam. Era o caso do Inter da Circunvalação ou do Barça da Areosa, mas nenhum tinha, obviamente, a nossa classe. Talvez só o Maré Vaza Futebol Clube, por quem sentíamos justificado ciúme.
 
A disciplina e o trabalho são a base do sucesso de qualquer equipa. No Sport Enrola na Areia os dois quesitos abundavam. Era tudo levado muito a sério. A época ia do início do Outono ao fim da Primavera e os jogos, com a duração de duas horas, começavam pontualmente às nove da manhã. 
 
Em escala rotativa, quatro jogadores compareciam meia hora antes para retirar da areia o lixo trazido pelas marés, fazer as marcações do campo e montar as balizas. Era num anexo do Caninhas Verdes, restaurante popular situado junto a um canavial em frente à praia, onde a bola e as balizas ficavam guardadas.
 
Para mim, jogar no Sport Enrola na Areia tratava-se de assunto da máxima importância. O domingo demorava sempre a chegar, tal a ânsia de entrar em campo. Mesmo assim, não posso dizer que sentisse amor à camisola, jogava em tronco nú, tal como os outros. Isso poderá até passar por vantagem. Mas resultava em pesadelo nos domingos invernosos, quando sobre nós desabavam impiedosas cargas de granizo. (Mais apropriado seria talvez dizer que choviam picaretas) De mãos na cabeça à laia de capacete, corríamos então para o mar. Cobertos de água até ao pescoço, era esse o modo de nos abrigarmos.
 
Esses domingos de intempérie obrigavam-me a ir de guarda-chuva para a praia. Findo o jogo e depois de um ou dois mergulhos, - o frio da água não dava para mais - não era fácil vestir a roupa que ficara guardada em sacos de plástico, com uma pedra a fazer peso, não fosse o vento pregar uma partida. No domingo seguinte, lá estava  eu de novo para deixar tudo em campo, tal como os outros. 
 
Faltar a um jogo era uma vergonha. Havia multas pesadas para quem cometesse falta tão grave. No final da época, o dinheiro dos infractores ajudava a custear um almoço de confraternização. Nem a doença servia de desculpa. Só se o atleta mostrasse atestado médico. 
 
O regulamento interno do clube previa apenas duas situações. Assim, estava escrito no dito regulamento: Só é permitida a não comparência do atleta a um jogo por morte de homem ou casamento de filha. Mais nada.

 

Jaime Froufe Andrade, Jornalista

A ler com atenção! Circulação de velocípedes

familia_bicicleta_desporto_exercicio_ss_0.jpg

- Os velocípedes podem circular paralelamente numa via, no máximo de dois velocípedes, desde que a visibilidade e a intensidade do trânsito o permitam e que não causem perigo ou embaraço ao trânsito;
- A circulação deve ser feita pelo lado direito da via de trânsito, conservando das bermas ou passeios uma distância suficiente para evitar acidentes;
- Nas zonas urbanas, há que ter uma atenção especial com portas que se abrem repentinamente e crianças que podem surgir entre dois veículos;
- Os velocípedes conduzidos por crianças até 10 anos podem circular nos passeios, desde que não ponham em perigo ou perturbem os peões;
- Quando existam pistas especialmente destinadas a velocípedes, o trânsito destes deve fazer-se preferencialmente por aquelas pistas;
- O condutor de um veículo motorizado deve certificar-se de que na ultrapassagem de velocípedes que circulem ou se encontrem na berma, guarda a distância lateral mínima de 1,5 m e abranda a velocidade.
GNR

Entre a #Galiza e #Portugal é sempre #25deAbril!

Reforçar Abril! José Afonso homenageado na Galiza

337738674_2004017563276513_1322355624328746822_n.j

Entre a #Galiza e #Portugal é sempre #25deAbril
Mais um ano imos comemorar a liberdade e a fraternidade que a Revoluçom dos Cravos significou, com música, arte e palavra.
O próprio 25 disfrutaremos as músicas de Alba Maria e Queco Díaz, e mais as de Aldara e Manu num concerto aberto na praça do Pam (Cervantes) em #Compostela. A nom perder!
No dia 26 junto com Erguer. Estudantes da Galiza assistiremos na Faculdade de Ciências Políticas à palestra "#25deAbril de 1974: Golpe de Estado ou Revoluçom?" da mao do professor da UMinho José Manuel Lopes Cordeiro e do músico Jaime Torres de Canto d'Aqui.
No dia 28 às 21h30 apoiamos o concerto que A Gentalha do Pichel organiza no Gentalha Do Pichel com Instalados em poltronas: uma visita à música portuguesa que precedeu e acompanhou o #25deAbril
E finalmente as atividades completarám-se com a exposiçom de cartazes comemorativos do #25deAbril no Ies Numeroun da #Estrada (14-21 de Abril) e na sede do Camões - Centro Cultural Português em Vigo de #Vigo (25-31 de Abril).

Animarco | cãominhada

Nova iniciativa da Animarco 

341712650_1529896757536791_4492332962206267967_n.j

Inscrevam se para a nossa cãominhada e participem do sorteio que a Arion vai oferecer, e ainda mais muito mais , por cada inscrição feita a Arion vai nos oferecer 1 kilo de comida para os nossos Patinhas ! Juntem se a nós !! Ajude a alimentar esta causa !! ESTAMOS A VOSSA ESPERA é Já no domingo dia 23 ás 09:00h Animarco fazendo Animais e famílias Felizes !!!

Nota de Imprensa | 𝗧𝗲𝗶𝘅𝗲𝗶𝗿𝗮 𝗲 𝗧𝗲𝗶𝘅𝗲𝗶𝗿𝗼́ 𝗻𝗮̃𝗼 𝗲𝘀𝘁𝗮̃𝗼 𝗲𝗺 “𝗕𝗼𝗮𝘀 𝗠𝗮̃𝗼𝘀”

PSD CORES.jpg

No passado dia 15 de abril, durante a Assembleia de Freguesia da União de Freguesias de Teixeira e Teixeiró, a bancada do PSD assistiu a mais um momento demonstrativo da incapacidade do executivo socialista desta Junta.

Assim, o PSD Baião vem esclarecer e comunicar a todos os habitantes da Teixeira e Teixeiró alguns factos que nos levam a afirmar, com toda a veemência, que o atual Presidente da Junta da Freguesia não reúne condições de prestar um bom serviço à população:

 

𝟭)    𝗥𝗲𝗹𝗮𝘁𝗼́𝗿𝗶𝗼 𝗱𝗲 𝗖𝗼𝗻𝘁𝗮𝘀 𝗳𝗼𝗶 𝗮𝗽𝗿𝗲𝘀𝗲𝗻𝘁𝗮𝗱𝗼 𝗲 𝘃𝗼𝘁𝗮𝗱𝗼 𝗻𝗮 𝗔𝘀𝘀𝗲𝗺𝗯𝗹𝗲𝗶𝗮 𝗱𝗲 𝗝𝘂𝗻𝘁𝗮 𝗰𝗼𝗺 𝗲𝗿𝗿𝗼𝘀 𝗴𝗿𝗼𝘀𝘀𝗲𝗶𝗿𝗼𝘀

 

Quando confrontado com algumas questões da Bancada do PSD sobre valores que constam no relatório de contas, mais concretamente o recebimento de rendas 10 vezes superiores ao que estava orçamentado, o executivo da junta foi incapaz de responder e, mais preocupante, mostrou surpresa com os valores do documento, alegando erros na contabilidade.

Este é um facto da maior gravidade, que nos levanta muitas dúvidas sobre o escrupuloso cumprimento dos princípios da materialidade e substância da contabilidade apresentada, nomeadamente em algumas rubricas da despesa.

 

𝟮)           𝗙𝗮𝗹𝘁𝗮 𝗱𝗲 𝘁𝗿𝗮𝗻𝘀𝗽𝗮𝗿𝗲̂𝗻𝗰𝗶𝗮

 

Em 2022, a Junta de Freguesia de Teixeira e Teixeiró gastou mais de 300 mil euros, um valor que fala por si.

Tendo em conta que:

  1. i) O próprio presidente da junta coloca em causa os relatórios contabilísticos de 2022;
  2. ii) A Junta de Freguesia recebe há vários anos, fruto dos contratos do parque eólico, centenas de milhares de euros e o saldo da conta bancária da Junta de Freguesia perfaz apenas os 1.421,82€ (segundo os documentos da última Assembleia de Freguesia).

iii)    Não se vê obra na freguesia que justifique este avultadíssimo valor de despesa ano após ano.

O PSD solicita, com a maior urgência:

1)            A documentação adstrita às obras dos últimos dois anos contratualizadas na Freguesia e que constam nos relatórios de contas;

2)            Os contratos e documentação subjacente às prestações de serviço e avenças da Junta de Freguesia nos últimos dois anos;

3)            Os contratos de arrendamento do parque das eólicas.

O fornecimento desta documentação é da maior relevância para uma cultura democrática de transparência e para a credibilização não só da ação política, mas também pela honorabilidade e bom nome dos que, à data de hoje, desempenham funções no executivo da junta de freguesia.

 

 

𝟯) 𝗔 𝗱𝗲𝗳𝗶𝗰𝗶𝗲̂𝗻𝗰𝗶𝗮 𝗱𝗮𝘀 𝗼𝗯𝗿𝗮𝘀 𝗻𝗮 𝗳𝗿𝗲𝗴𝘂𝗲𝘀𝗶𝗮 𝗲́ d𝗮 𝗿𝗲𝘀𝗽𝗼𝗻𝘀𝗮𝗯𝗶𝗹𝗶𝗱𝗮𝗱𝗲 𝗱𝗮 𝗖𝗮̂𝗺𝗮𝗿𝗮𝗠𝘂𝗻𝗶𝗰𝗶𝗽𝗮𝗹 𝗱𝗲 𝗕𝗮𝗶𝗮̃𝗼

 

O Presidente da Junta da Teixeira fez uma declaração onde afirma que as queixas que tem recebido das obras da freguesia são da culpa da Câmara Municipal de Baião, alegando não só que a Câmara não cumpre com os projetos iniciais pretendidos pela Junta, fazendo alterações na matéria-prima, colocando em causa a qualidade da obra para obter um preço mais reduzido, e colocando em causa as empresas que realizam estas obras.

Adicionalmente, afirmou que a Câmara ainda não tinha pago alguns contratos interadministrativos de algumas obras. Esta acusação é grave e o PSD pede ao executivo da Câmara Municipal de Baião, na pessoa do seu Presidente, os devidos esclarecimentos sobre a veracidade destas afirmações.

O PSD Baião não pode deixar de reiterar a perplexidade perante a falta de resposta e falta de responsabilidade pelo desconhecimento de informações financeiras básicas por parte do executivo da Junta de Freguesia de Teixeira e Teixeiró.

 

Perante isto, não é difícil concluir: 𝗧𝗲𝗶𝘅𝗲𝗶𝗿𝗮 𝗲 𝗧𝗲𝗶𝘅𝗲𝗶𝗿𝗼́ 𝗻𝗮̃𝗼 𝗲𝘀𝘁𝗮̃𝗼 𝗲𝗺 “𝗯𝗼𝗮𝘀 𝗺𝗮̃𝗼𝘀”.

 

O PSD desafia, por isso, o presidente da Junta de Freguesia a iniciar uma auditoria independente e feita por uma entidade externa a todas as contas da junta de freguesia, de forma a não alimentar e afastar toda e qualquer suspeita de eventual má gestão vigente.

Caso não aceite o repto, o PSD não fugirá às suas responsabilidades de partido de oposição e apresentará uma proposta neste sentido na próxima Assembleia de Freguesia

A 18.ª edição das 500 Milhas ACP vai para a estrada esta sexta-feira e sábado

500 MILHAS ACP_2.jpg

Com quase sete dezenas de automóveis clássicos a enfrentarem os mais de 700 quilómetros da mais longa estrada do país, a Nacional 2, entre Faro e Chaves. Desafio da prova do ACP leva as equipas a atravessar o país num périplo de mais de 16 horas.

 

As 500 Milhas ACP vão reunir 68 equipas para percorrer a totalidade da Estrada Nacional 2, entre as cidades de Faro e Chaves. Em prova, vão estar automóveis clássicos construídos entre 1954 e 1976 (mas com data de início de produção em 1974), configurando uma verdadeira viagem no tempo, em modo de descoberta do território nacional. Entre o vasto pelotão estão vários automóveis emblemáticos, como um Austin Healey de 1954, o carro mais antigo em prova, diversos exemplares históricos da Porsche, Jaguar, Mercedes-Benz ou Alfa Romeo, três Alpine A110, e até um raro AC Aceca de 1960.

 

As equipas concentram-se na tarde desta sexta-feira, em Faro, junto ao Hotel Eva, para as verificações técnicas e administrativas. Na manhã seguinte, o primeiro concorrente arranca às 06h01 em direção à EN2, que vai ser percorrida na totalidade até Chaves, passando por Ferreira do Alentejo (que recebe o pequeno-almoço, na freguesia de Odivelas), Mora, Abrantes, Sertã, Tondela, Lamego e Santa Marta de Penaguião. Pelo meio, a caravana faz uma paragem em Constância, no distrito de Santarém, onde as equipas podem recuperar energias para a segunda metade da maratona. Durante a tarde, a caravana faz nova paragem na Barragem da Aguieira. A partir das 22 horas da noite de sábado está prevista a chegada dos primeiros concorrentes a Chaves, com o jantar e a entrega de prémios a terem lugar no Hotel Aquae Flavia.

 

Pelos caminhos de Portugal

 

A prova de regularidade é composta por um total de 19 classificativas divididas em duas etapas, com quatro categorias em competição (consoante o ano de fabrico do carro). No total, os concorrentes vão percorrer cerca de 740 quilómetros, numa maratona de condução a exigir resistência das máquinas e concentração dos pilotos, para cumprirem os obrigatórios controlos de regularidade. E, como é apanágio das organizações do ACP Clássicos, uma viagem ao encontro da história e da cultura das regiões que cruzam a EN2, uma das estradas mais emblemáticas da Europa.

 

Programa | 500 Milhas ACP

 

21 de abril

15h00 - 19h00 - Verificações – Faro

 

22 de abril

06h01 - Partida de Faro para o primeiro concorrente

3h00 - Almoço

21h55 - Chegada a Chaves do primeiro concorrente

22h00 - Jantar e entrega de prémios – Chaves