Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

BAIÃO CANAL | Jornal N.º 16 - Setembro 2021

DUAS DE LETRA | Lourdes dos Anjos

10847291_997387586956351_6566550614060763002_o.jpg

 

Quando a vaidade cega o juízo...

Há alguns meses atrás, foi amplamente noticiado que um casal de idosos ficou sem cinquenta mil euros que tinha em caixas , enterradas num curral porque as mostrou a um casal de "senhores doutores médicos" que lhe bateram à porta para falar de cascas d'alho e água fria fervida...
Pois entendo muito bem que a pouca ou nenhuma confiança em bancos e cadeiras do poder, ande novamente por aí à rédea solta e o dinheiro durma no curral dos animais em paz e sossego.
Na verdade, o tempo que vivemos faz com que cada um de nós, sobretudo os mais velhos,desconfiem até da camisa que vestem Mas... claro que há sempre quem ainda acredite no pai natal e até há quem pense que as cegonhas são aviões especiais com vôos económicos entre Paris e Portugal e ...trazem bebés pendurados na ponta de um preservativo furado.
Mas, por favor...até a santa inocência tem limites...
Passo a contar mais uma "estória da carochinha": muito verdadeira...
Há uns meses atrás, estava na caixa do supermercado Intermarché de Estarreja, pacientemente esperando pela minha vez e ...logo na minha frente "um marido e esponja" bem mais velhos do que eu com meia dúzia de compras numa cesta.
O total a pagar era cerca de 40 euros e o senhor marido, abre a samarra, saca da carteira "im pele da boua" lambe o dedo e puxa por uma nota de 500 euros, muito fresquinha...
A funcionária da caixa pergunta se não tem uma nota mais pequena e a resposta foi pronta..."Não tenho não senhora. PROQUÊ!?"
Então a menina pede desculpa mas tem de chamar uma colega para ir buscar troco porque na gaveta não tem tanto dinheiro.
Aqui a porca torceu o rabo...
O senhor idoso e vaidoso fica espantado...Então uma casa destas não tem 5oo euros na gaveta?
"Ó menina olhe que na minha casa , notas como essa, de quinhentos "aéreos" é coisa que num falta ...cum catano!"
E o senhor idoso e peidoso continuou a sua telenovela perante uma funcionária caladinha e admiradinha mais uma velha do Porto aflitinha por falar...
De repente, vem o troco para o cliente que continuava a botar faladura sobre riquezas e notas de 500 euros.
Vai daí a tal senhora do PORTO que esperava e continuava mortinha por desabafar pousa as compras no tapete que anda e diz para o senhor rico:
" Muito obrigada por nos dar a saber a sua fartura de notinhas em casa.Eu tomei nota e agora posso informar que conheço uma quadrilha que rouba gente rica em conversa e pobre em juízinho e que já tem dificuldade em correr atrás de uma lambreta...
Se for assaltado logo á tardinha, foi alguém que por aqui o ouviu e portanto...prepare-se meu rico senhor."
A menina da caixa abanou a cabeça, a "esponja" do senhor marquês ralhou com ele e o homem coitado..ainda informou que não viviam sós... ele era "um home prebenido" e até tinha em casa duas caçadeiras, uma pistola carregada e uma catana ao pé da lareira...e "dois cães, treinados, de raça cara no jardinhe"
A senhora do Porto riu-se e avisou :"PRONTO MEU AMIGO, EU DIGO AO CHEFE DA QUADRILHA PARA LEVAR A METRALHADORA...FIQUE DESCANSADO"
E pronto fiquei a saber que há por aí muitos Salgadinhos encobertos mortinhos por serem assaltados...e, como diz a cantiga... pela boca morre o peixe, quem te manda amor falar!?
Santa parolice.Maldita gabarolice.Que pariu ...tanta pobreza de juízinho.

OS PEQUENOS TAMBÉM SÃO GRANDES | Aníbal Styliano

styliano.png

E tudo a memória guarda…

Ter ou não ter sapatos era indiferente. Tudo começava numa bola que até podia ser resultado de cooperativa instantânea. Depois aperfeiçoava-se com insistência e talento. Aos domingos, dia de jogos, criando rotinas únicas, hoje subvertidas pela publicidade e dependência económica dos clubes que garantem transmissões televisivas como negócio imparável de milhões.

O caminho é para a frente e assim se começa a jogar em clubes. Sempre ao domingo. Havia um tempo de trabalho, de rotinas,de obrigações e depois vinha o outro tempo, o especial, o da utopia sem prazos, o tempo do ócio e do jogo das nossas vidas. Nunca outra atividade tinha conseguido estabelecer essa ligação tão completa entre jogadores, clube e bola. E claro os adeptos, onde os mais jovens aprendiam o que significavam aqueles emblemas, aquelas cores e até o o hino do clube, ouvido antes dos jogos, com palavras simbólicas que aumentavam o ritmo cardíaco. Era inexplicável porque sentido. Os dirigentes mais antigos, eram presença notada, admirada, reconhecida. O diálogo praticava-se numa linguagem familiar e num tratamento de afeto. Por vezes, os mais idosos, contavam episódios de quando eram crianças (o que para nós era difícil de imaginar porque ainda não sabíamos as regras do tempo) e a atmosfera à nossa volta mudava completamente. Mensagem aprendida.

Assim se fundiram memórias que nos aproximavam e nos tornavam uma grande família. Depois, conhecemos jogos grandes, com os heróis das revistas antigas (Ídolos, Sport e outras publicações) e vestíamos a pele da personagem que mais admirávamos: durante a minha infância fui Hernâni Ferreira da Silva. As minhas arrancadas sem perder o controlo da bola, com passes precisos, com remates fantásticos e penáltis a enganar o guarda-redes, davam-me minutos em que a personagem estava tão ligada à realidade que só no fim do jogo, se voltava do sonho à realidade. Conseguíamos dividir o tempo às fatias e sobravam prolongamentos para outros jogo e brincadeiras ou ida sigilosa à fruta para partilha secreta.

Mas a bola estava sempre no imaginário. Quando entravamos na sede do clube, local mítico, com um ambiente especial, porque ali estava a alma do clube, pertencíamos a esse espaço. Só lá íamos acompanhados pela família ou quando já jogadores assinavam pelo clube. Essa sensação, mesmo como profissional, nunca se reduziu, pelo contrário. O tempo avança por essas memórias, pelas imagens dos amigos e dos ambientes que a urbanização, sem planos integrados, destruiu sem cuidados, para haver ruas sem saída, como espaço de preparação para se poder entrar para dentro das quatro linhas, em estádios sonhados.

Por vezes, quer em comentários de programas de televisão, em fóruns ou sessões formais, no reencontro com antigos companheiros de meninice, além dos nomes que voltavam a ser diminutivos ou alcunhas (o linguiça, o jaburu, o orelhas, o granjola…) continuei sempre como Hernâni, quando afinal sou Aníbal. Tenho saudades com esperança de que os mais jovens de hoje mantenham essa oportunidade de fazer amizades indestrutíveis, sempre presentes para ajudar a resolver qualquer problema, de forma instantânea, que tudo supera. Hoje ouvimos muito falar em Bullying e quando conversocom mais jovens conto-lhes que no tempo em que era miúdo, não conhecíamos essa palavra, embora por vezes alguns mais velhos nos tentavam amedrontar. Nessa altura, defendíamos em equipa. Quando surgiam zangas, quem agarrasse o outro e o conseguisse prender, bastava responder à pergunta decisiva: “rendes-te?”. E o outro dizia: “Rendo-me”. Com um abraço final tudo voltava a ser como sempre. Os mais frágeis eram sempre mais protegidos. Eramos uma família construída na rua e sempre com uma bola debaixo do braço. Ainda hoje, em reencontros fugazes, usamos os apelidos e as saudações no código inesquecível. E tudo começou no primeiro pontapé na bola!

 

Aníbal Styliano (Professor e comentador)